Palmeiras faz 3 a 0 no Boa Esporte e é campeão da Série B

A Chapecoense, vice-líder da competição, também garante o acesso para a primeira divisão

Demétrio Vecchioli, Agência Estado

16 Novembro 2013 | 18h21

SÃO PAULO - O mês de novembro acabou de entrar na sua segunda metade e o Palmeiras já pode entrar de férias. A obrigação na Série B está cumprida. Neste sábado, a equipe alviverde venceu o Boa por 3 a 0, no Estádio do Pacaembu, e conquistou com duas rodadas de antecedência o título da segunda divisão do Campeonato Brasileiro. O criticado Felipe Menezes, Leandro e Juninho fizeram os gols do jogo.

Campeão pela segunda vez (venceu também em 2013), o Palmeiras agora é um uma das sete equipes bicampeãs da segunda divisão, se igualando a Coritiba, Criciúma, Paysandu, Goiás, Paraná e Inter de Limeira. O time alviverde já havia garantido o acesso há quatro rodadas, quando empatou em 0 a 0 com o São Caetano, também no Pacaembu.

Naquela ocasião, a torcida organizada vaiou a equipe ao fim do jogo e os jogadores sequer fizeram festa. Foram direto para o vestiário. Neste sábado, porém, foi diferente, com direito a olé no segundo tempo e comemoração dos atletas no centro do campo. Menos de 20 mil torcedores acompanharam o jogo.

Campeão, o Palmeiras foi a 76 pontos, contra 66 da Chapecoense. No sábado que vem, pega o Ceará em Campo Grande, porque vendeu o mando de campo. Fecha a competição contra a Chapecoense, no fim de semana seguinte. Já o Boa, com 50 pontos, só cumpre tabela e tenta atrapalhar as caminhadas de Sport e Avaí nas últimas duas rodadas.

O JOGO

Assim como no restante da rodada da Série B, o jogo no Pacaembu começou com os dois times passando a bola um para o outro, de forma despretensiosa, cada um na sua metade do campo em protesto organizado pelo Bom Senso FC, que pede melhorias no calendário do futebol brasileiro, além de fair play financeiro. A ação durou 30 segundos. Quando o jogo começou para valer, os dois times buscaram o gol e ficaram muito perto de abrir o placar nos primeiros minutos. Aos 3, Alan Kardec bateu falta da entrada da área e mandou a bola na junção entre as duas traves.

A resposta veio da cabeça de Marcelinho Paraíba. Aos 6, após cruzamento da esquerda, o meia-atacante ficou sozinho e cabeceou bem, para o chão. Fernando Prass defendeu em cima da linha. A bola entrou pelo menos parcialmente e o Boa ficou pedindo gol, mas o árbitro mandou o lance seguir. Se o veterano comandava o Boa, o Palmeiras tinha em Felipe Menezes seu melhor jogador. Mas novas chances de gol só depois da metade do primeiro tempo. Os mineiros desta vez arriscaram primeiro. Rafinha cruzou e Karanga cabeceou para fora.

Na resposta, porém, o gol que abriu o placar. Wendel aproveitou bobeira de Betinho, roubou a bola e tocou para Felipe Menezes. O meia, substituto de Valdivia, dominou ajeitando para a perna esquerda, bateu rasteiro, e Douglas aceitou, aos 28 minutos.

SEGUNDO TEMPO

O Boa voltou para o segundo tempo mais ofensivo, com mais um atacante, mas acabou levando o segundo gol num contra-ataque. Leandro recebeu lançamento nas costas da zaga, gingou o corpo para derrubar Douglas, passou pelo goleiro e chutou forte para estufar as redes. Empurrado pela torcida, o Palmeiras ainda fez o terceiro. Enquanto o Boa reclamava de falta de Eguren, a bola chegou até Juninho, que encheu o pé sem chances para o goleiro. Depois disso, só festa, com direito a olé. Fernando Prass, no último minuto, ainda fez bonita defesa em chute de Karanga só para particiar direito da festa.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 3 X 0 BOA

PALMEIRAS - Fernando Prass; Wendel, André Luiz, Marcelo Oliveira e Juninho (Rondinelly); Eguren, Márcio Araújo, Felipe Menezes (Fernandinho) e Serginho; Leandro e Alan Kardec. Técnico - Gilson Kleina.

BOA - Douglas; Rafinha (Moisés), Ciro Sena, Thiago Carvalho e Crystian (Luiz Paulo); Rodrigo Souza, Vinícius Hess, Betinho, Marcelinho Paulista e Petros; Fernando Karanga. Técnico - Nedo Xavier.

GOL - Felipe Menezes, aos 28 minutos do primeiro tempo; Leandro, aos 11, e Juninho, aos 31 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Edivaldo Elias da Silva (PR).

CARTÕES AMARELOS - Wendel, Charles, Alan Kardec, Moisés, Ciro Sena, Vinícius Hess, Betinho e Marcelinho Paraíba.

RENDA - Não disponível.

PÚBLICO - 19.216 pessoas (total).

LOCAL - Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.