Palmeiras faz jogo-chave na Mercosul

O Palmeiras enfrenta o Universidad do Chile, nesta quinta-feira, às 19h, no Parque Antártica, num jogo com todas as características de uma decisão. Com apenas 1 ponto ganho no grupo E da Copa Mercosul, o time de Celso Roth só tem uma chance de seguir na próxima fase da competição: ganhando os nove pontos em jogo nas três partidas de volta, começando pela de amanhã. "Enquanto houver uma chance, não vamos desistir", assegura o técnico Celso Roth.A briga do Palmeiras é por uma das vagas reservadas aos três melhores segundos colocados na primeira fase. Vencendo o Universidad do Chile nestq uitna-feira, o River Plate em Buenos Aires no dia 29 em Buenos Aires e o Grêmio na segunda quinzena de outubro no Parque Antártica, o time chegará aos 10 pontos ganhos. E pelos cálculos de Celso Roth deve ficar com uma das três vagas, considerando ainda a hipótese de que alguns adversários na briga direta por uma das três vagas também devem perder pontos.No entanto, ele ainda não quer contar com a derrota alheia e já alertou aos seus jogadores de que o Palmeiras deve se preocupar apenas em fazer a sua parte. "Não adianta nada torcermos pela derrotas dos nossos concorrentes se não fizermos a nossa parte. Temos a responsabilidade e a obrigação de buscar esse resultado", afirma o treinador. Numa demonstração prática de que acredita na classificação, Celso Roth vai escalar a equipe praticamente completa na partida, diante do Universidade do Chile. Dos titulares, só Pedrinho não foi relacionado porque já atuou na Copa Mercosul pelo Vasco e por isso mesmo não pôde ser inscrito na competição.Em compensação, o meia Lopes, que não enfrentou o Botafogo-SP em Ribeirão Preto por estar suspenso automaticamente está confirmado. Hoje ele não participou do rachão na Academia de Futebol. Foi dispensado pelo diretor de futebol Sebastião Lapola para participar de uma audiência em Aparecida mas teve sua escalação ratificada por Celso Roth.A única dúvida de Roth era a escolha do companheiro de Tuta no ataque, entre Juninho e Edmílson ou ainda Thiago Gentil. Mas pelas palavras de Roth, hoje, Juninho deve mesmo jogar apesar da situação estranha no coletivo desta quarta-feira.Edmílson, que participou de 80% do coletivo de hoje, não foi sequer relacionado para a concentração. Thiago Gentil, que treinou os outros 20% como titular, deve perder a disputa para Juninho. O próprio Roth, contrariando um hábito, admitiu que deve repetir a mesma equipe que jogou em Ribeirão, apenas com Lopes no lugar de Pedrinho. "O Juninho treinou no time debaixo porque esse eu já conheço. Ele foi bem em Ribeirão Preto e a sua escalação contra o Universidad do Chile deve ser uma tendência."Com ou sem Juninho o esquema tático não será alterado. Celso Roth não pretende mexer na espinha dorsal da equipe. Isso significa que ele não vai abrir mãos dos três volantes, mesmo precisando da vitória e jogando em casa diante do adversário teoricamente mais fraco do grupo E. Os próprios volantes não vêem nisso um obstáculo para um time que precisa dos três pontos. "Os três volantes dão segurança na marcação quando o time está sendo atacado, mas ofensivamente a gente sai para o jogo junto com os meias. Tanto isso é verdade que o Palmeiras tem o ataque mais positivo do Campeonato e o melhor saldo de gols no Campeonato Brasileiro", argumenta o volante Magrão.Apesar da situação dramática na Copa Mercosul, a expectativa geral é quanto a uma reação palmeirense. O atacante Tuta, que faz nesta quinta-feira o jogo de número 50 com a camisa do Palmeiras, lembra que o time não deve levar muito em consideração o retrospecto da equipe na Copa Mercosul. "O que vale é o bom momento da equipe no Brasileiro. Quando fizemos os três primeiros jogos pela Mercosul a situação era outra, o Palmeiras ainda estava se armando", diz o atacante. "Hoje até a confiança é bem maior".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.