Palmeiras faz o mínimo e ganha jogo

O Palmeiras está destreinado para jogos-treino. Há pelo menos três semanas que o time não faz um coletivo. O técnico Candinho culpa a falta de tempo e utiliza os dias livres da semana para recuperação física em piscina de gelo, rachões em campo reduzido ou trabalhos específicos de finalização e cruzamento. Nesta terça-feira, o time jogou no Estádio Palestra Itália contra o União Barbarense, pela 16.ª rodada do Campeonato Paulista. A equipe visitante, fraca, ainda tinha a motivação de lutar contra o rebaixamento. O Palmeiras queria só treinar um pouco em situação de jogo, para a Libertadores. Mesmo para um treino, foi mal, errou muito e venceu por 1 a 0, perdendo gols e passando sufoco.Como treino - ainda mais pago - não atrai torcida, apenas 1.640 pessoas foram ao estádio. Saíram resmungando. O treinador, com medo das repetidas vaias ao jovem Diego Souza, mandou o meia para casa, não utilizando-o nem no banco de reservas, para poupá-lo. Entrou Marcel, que não fez muito mais que Diego vinha fazendo nos outros jogos.O União Barbarense começou mais interessado e partiu para cima. Aos 12 minutos, porém, Marcel fez sua única jogada importante na noite e deu assistência para o atacante Ricardinho, que entrou sozinho na área a chutou forte, sem defesa para Neneca.As emoções da noite acabariam ali. Até um bom treino, com reservas lutando pela atenção do técnico, costuma ser melhor. O campo parecia grande demais, com muito espaço, bolas sobrando sem ninguém por perto e chances perdidas dos dois lados. Perto do fim do primeiro tempo, num reflexo do que foi o jogo, Marcel teve chance de bater da meia-lua, mas preferiu nem tentar quando dois zagueiros chegaram junto e travaram a bola.Após o intervalo, as defesas deram ainda mais espaço e as chances aumentaram. Não que o jogo tenha melhorado, porque os atacantes continuaram mal. Carlinhos cabeceou na trave após escanteio. Marcel chutou fraco bola rebatida, da marca do pênalti. Aos 23, outro lance que nem em treino deveria acontecer. Warley cruzou da esquerda, entre Ricardinho e Marcel. Um deixou para o outro e a bola passou reto. Sérgio, do outro lado, reclamava.Para testar, como era treino mesmo, Candinho fez três substituições e colocou até Adriano Chuva, que não vinha jogando. Nos minutos finais, Correia perde outro gol para o Palmeiras. Carlinhos, outro para o União Barbarense. A pequena torcida vaiou. O time viaja na sexta para Itu. E ainda tem mais três jogos-treino no Paulista. Tudo para melhorar para, no dia 19, enfrentar o Santo André, pela Copa Libertadores. Pelo menos tempo para treino, agora, não faltará.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.