Palmeiras ganha dois aliados por Love

O Palmeiras ganhou dois aliados de peso para desviar a rota de Vágner Love do Parque São Jorge para o Palestra Itália: a Federação Paulista de Futebol e o magnata Roman Abramovich, dono do Chelsea, mas com enorme influência no CSKA, o time do atacante brasileiro. A FPF, que já participou da contratação de Marcinho, ex-São Caetano, ajudaria com uma parte do dinheiro.O Palmeiras ainda conta com o apoio financeiro de um empresário, cujo nome será mantido em segredo a pedido dele próprio. Quanto a Abramovich, seu interesse no Palmeiras é só uma questão de capricho, já que seu antigo parceiro, Boris Berezowski, um dos donos da MSI, se transformou em inimigo após um racha político que teria envolvimento até mesmo com o presidente da Rússia, Vladimir Putin.Depois de oferecer salário de R$ 220 mil ao jogador, que recebe U$ 100 mil (R$ 242 mil), nesta segunda-feira a diretoria do Palmeiras pretende fazer uma proposta oficial ao CSKA. Os números são impressionantes para o empréstimo de um ano: 5 milhões de euros, o que também aumentaria a participação do Palmeiras no passe do jogador de 10% para 35%.A engenharia da operação, no entanto, é complicada de explicar porque o Palmeiras já computa os 10% que ainda tem no passe de Vágner Love.Como o CSKA aumentou para 20 milhões de euros o valor de Vágner Love numa recente consulta feita pelo Corinthians/MSI, o Palmeiras entende que os seus 10% valem 2 milhões de euros. Portanto, só precisaria de outros 3 milhões de euros para ter chance de ficar com o atacante até a Copa do Mundo.Apesar do apoio importante da FPF e de um empresário, a diretoria palmeirense sabe que a MSI ainda é um concorrente forte. Por isso mesmo, o Palmeiras sabe que precisa agir rápido para ter alguma chance de ganhar a briga pelo atacante do CSKA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.