Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Palmeiras ganha, se aproxima do título e coloca Inter na zona de rebaixamento

Alviverde abre vantagem de seis pontos para o Santos na liderança

Renan Fernandes, O Estado de S. Paulo

06 de novembro de 2016 | 19h14

O torcedor do Palmeiras teve de conviver neste domingo com três sentimentos dentro do peito - ansiedade, angústia e, por fim, o tão esperado alívio com o apito final de Péricles Bassols. No Allianz Parque, o Alviverde jogou o suficiente para garantir os três pontos contra o Internacional e alcançar a marca de 70 na tabela de classificação. Melhor ainda: o time aumentou a vantagem para o vice-líder de cinco para seis pontos, a apenas quatro rodadas do fim do Campeonato Brasileiro. 

A 34.ª rodada será marcada como o momento em que o Flamengo, então principal adversário da equipe paulista desde a rodada 22, perdeu o fôlego e a vice-liderança da competição. Depois de quatro jogos sem vitória, o rubro-negro caiu para terceiro, com 63 pontos, e viu o Santos, que venceu a Ponte, abrir um ponto de vantagem. 

Se do lado carioca o sentimento é de frustração, do lado do líder foi um teste emocional - e cardíaco - para saber como jogadores e torcida vão reagir com a proximidade de uma conquista que não chega ao Palestra Itália há 22 anos. 

Diferentemente das cenas repetidas nos últimos anos, quando protestos contra a fase do time eram rotineiros, desta vez o clima é de paz. Isso pôde ser visto no último sábado, quando integrantes de uma das principais torcidas organizadas do Palmeiras foram à Academia de Futebol apoiar o elenco. Como a atividade foi fechada para o público e para a imprensa, os jogadores fizeram questão de cumprimentar e acenar para as centenas de pessoas que ficaram cantando e incentivando do lado de fora por quase três horas.

Foi neste clima de tranquilidade que o Palmeiras iniciou a partida. Nem mesmo as investidas iniciais do Inter fizeram a equipe de Cuca apresentar qualquer tipo de afobação. A estratégia de não forçar jogadas ou se expor na defesa surtiu resultado antes dos 20 minutos. Cleiton Xavier, que ganhou a vaga do suspenso Moisés, aproveitou a falha de marcação adversária em cobrança de escanteio para fazer o único gol da disputa. 

Com a vantagem no marcador, o alviverde passou a controlar ainda mais o ritmo da partida. Alvo de reclamações nos últimos jogos, o campo do Allianz Parque parecia estar em melhores condições. Nem mesmo a forte chuva que caiu em São Paulo prejudicou o gramado. Era possível ver claramente onde foi feita a troca da grama mais prejudicada pelos recentes shows do tenor italiano Andrea Bocelli no estádio. Se esteticamente não estava bonito, pelo menos já não soltava tantos tufos de grama e não atrapalhava o desenvolvimento do jogo. 

O Internacional veio para o confronto com uma baixa de peso, já que Vitinho foi vetado pelos médicos do clube. Sem contar com seu principal jogador, fundamental para as últimas vitórias da equipe no Brasileirão, os gaúchos entraram em campo apenas dois pontos acima da zona de rebaixamento.

A pressão contra a queda motivou o time a partir para cima do Palmeiras, mas na prática ela não funcionou. Aposta do técnico Celso Roth, Anderson pouco lembrou o jogador apontado pelo lendário treinador Sir Alex Ferguson como um dos melhores jovens do mundo, em 2007, quando estava na Inglaterra - em sua melhor chance, entrou com a bola na área na corrida, mas chutou longe do gol. 

Na segunda etapa, Cuca mexeu duas vezes no setor ofensivo por causa das lesões de Roger Guedes e Cleiton Xavier. As entradas de Fabiano e Alecsandro fizeram o Palmeiras perder força no ataque. 

O Inter, já sabendo que estava voltando para a zona de rebaixamento com o triunfo do Vitória no mesmo horário, tentou atacar. Mesmo desordenado, o time gaúcho também não conseguiu envolver a marcação e só finalizou com chutes de fora da área e em bolas paradas. 

No fim, Gabriel Jesus teve oportunidade de acabar com a angústia palmeirense, e com sua seca de gols - que já dura oito partidas. O artilheiro alviverde no torneio ficou frente a frente com Danilo Fernandes, carregou um pouco a bola e bateu rasteiro para o gol, mas a bola explodiu na trave após um leve desvio do goleiro colorado. 

Dessa vez, a chance perdida não fez falta. Com o apito do árbitro, lágrimas de alívio e felicidade em campo e nas arquibancadas: o Palmeiras ficou mais perto do título nacional.

 

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 1 X 0 INTERNACIONAL

PALMEIRAS - Jailson; Jean, Mina, Vitor Hugo, e Zé Roberto; Thiago Santos (Gabriel), Tchê Tchê e Cleiton Xavier (Fabiano); Dudu, Róger Guedes (Alecsandro) e Gabriel Jesus. Técnico: Cuca.

INTERNACIONAL - Danilo Fernandes; Ceará (Eduardo Sasha), Paulão, Ernando e Geferson; Rodrigo Dourado, Anselmo, William, Anderson e Alex (Valdívia); Aylon (Diego). Técnico: Celso Roth.

GOL - Cleiton Xavier, aos 16 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO - Pericles Bassols (Fifa/PE).

PÚBLICO - 31.967 pagantes.

RENDA - R$ 2.112.466,12.

LOCAL - Allianz Parque, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.