Robson Fernadjes/Estadão
Robson Fernadjes/Estadão

Palmeiras homenageia e eterniza ídolos em novo estádio

Ex-jogadores do clube foram presenteados com cadeiras vitalícias no novo estádio do time

Denise Bonfim, O Estado de S. Paulo

13 de maio de 2014 | 12h48

SÃO PAULO - Ídolos da história do Palmeiras, Edu, Nei, Leão, Mazzola e Valdir Joaquim de Moraes foram oficialmente homenageados pelo clube em evento realizado nesta terça-feira pela manhã, na Allianz Parque. Depois de terem sido escolhidos em votação que contou com participação de cerca de 50 mil torcedores por meio da internet, os ex-jogadores foram presenteados com cadeiras vitalícias no novo estádio do time.

Juntos, os ídolos passaram a integrar a chamada Academia Allianz Parque de Imortais, que anteriormente, em março passado, teve Oberdan, Leivinha, César Maluco, Ademir da Guia, Luis Pereira e Dudu confirmados como integrantes deste seleto grupo e também presenteados com assentos vitalícios.

Entre os homenageados nesta terça, Mazzola e Valdir Joaquim de Moraes não puderam comparecer ao canteiro de obras do estádio, mas César Maluco esteve presente como representante da geração gloriosa que o Palmeiras ostentou na época da famosa Academia, vivida nos anos de 1970.

Leão, que teve passagem brilhante pelo Palmeiras nesta época, exibiu grande satisfação com o reconhecimento de sua história pelo clube. "O que vale não é uma homenagem escolhida, mas sim uma homenagem democrática, pilotada pelo torcedor, ainda bem que eu estava nesta votação. Esses jogadores (homenageados) têm uma raiz, e eu mais do que eles, pois já plantei uma palmeira no clube. É uma honra estar presente com outros ídolos do Palmeiras", disse o ex-goleiro, que completou: "O Palmeiras tem que ser parabenizado por essa homenagem, porque no Brasil não temos a cultura de privilegiar o ídolo, isso é uma forma de gratidão".

Outro homenageado, Nei destacou: "Estou me sentindo honrado e feliz, gostaria de agradecer pela homenagem à diretoria do Palmeiras. Pelo que vejo, o estádio faz parte de uma das maravilhas do mundo, é incrível. O Parque Antarctica deixou saudades, mas este estádio é excelente".

Edu, por sua vez, admitiu que se sentiu honrado por ter sido eternizado no novo estádio do Palmeiras. "Estou emocionado pela grandeza da obra, no meu tempo era só treinar e jogar. Estar aqui é emocionante, uma felicidade muito grande", enfatizou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasAllianz Parque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.