Palmeiras: ingressos estão esgotados

Quatro horas e dez minutos. Esse foi o tempo exato que a torcida do Palmeiras precisou para "limpar" as bilheterias do Parque Antártica nesta segunda-feira. A motivação para a partida de quarta-feira, às 21h40, no Palestra Itália, contra o Boca Juniors, cresceu depois do empate por 2 a 2, em Buenos Aires, e levou, às 8 horas de hoje, cerca de 10 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, para frente do clube em busca de ingressos. As 30 mil entradas para o segundo jogo das semifinais da Libertadores já estão esgotadas.A movimentação começou no início da noite de domingo, quando os primeiros torcedores chegaram ao local. Às 3 horas, a PM calculou que aproximadamente 500 pessoas já aguardavam na fila. No entanto, chegar mais cedo não garantiu a compra do ingresso. No início da manhã, uma confusão possibilitou que ?penetras? furassem a fila improvisada pelos próprios torcedores, o que gerou a primeira confusão.Pressionada pela situação, a diretoria palmeirense decidiu antecipar o início das vendas. Originalmente marcada para as 10 horas, as bilheterias foram abertas às 8h20. A carga de 30 mil bilhetes esgotou-se às 12h30. Durante esse tempo, a Rua Turiassu permaneceu com o trânsito fechado, sendo liberada pela CET por volta das 13 horas.Segundo o capitão do 2º BPM, Leandro Pavani, responsável pela operação policial que acompanhava a venda dos ingressos, foram registradas apenas duas ocorrências mais sérias. A primeira envolveu uma briga generalizada iniciada por um torcedor embriagado. Depois, um bilheteiro flagrou um torcedor com quatro cédulas falsas de R$ 10,00. Ambos foram detidos e encaminhados ao 23º DP.Outros problemas, esses considerados menos graves, também ocorreram, como carros destruídos por vândalos e cambistas ameaçados. "Em um momento, a fila chegou a ter uns três quilômetros de extensão, o que torna difícil fiscalizar toda a área", explicou Pavani.Sem moral - Às 15h30, ou seja, três horas depois de o clube anunciar que os ingressos estavam esgotados, a PM ainda calculava que cerca de 1.500 torcedores ainda estavam na fila. Questionado sobre as razões que o faziam permanecer na fila, o torcedor Anderson Gomes da Silva foi categórico. "No ano passado, na final da Libertadores, contra o Boca mesmo, a diretoria falou para a gente que não tinha mais entrada e, algumas horas depois, recomeçou a venda. A gente não acredita no que eles falam", explicou. A história foi confirmada por Pavani, que deu a receita para um momento como aquele. "Já expliquei que não tem ingresso, mas entendemos a posição da torcida. Só nos resta agora ter paciência e permanecer aqui até a hora em que eles decidirem ir embora."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.