Palmeiras inicia ?fritura? a Estevam

Diego Souza se rebelou, foi multado, afastado e pode até ser punido pela Federação Paulista. Mas o maior perdedor com o ato de indisciplina do meio-campista pode ser Estevam Soares. Nesta segunda-feira de manhã, o técnico disse que afastaria o jogador por tempo indeterminado. "O Diego está fora. Não joga mais. A diretoria que o empreste ou o mande para o time B". À tarde, porém, o Conselho Gestor de Futebol do clube aplicou uma multa no jogador, mas também determinou que ele volte aos treinos na segunda-feira, como se nada tivesse acontecido.Com isso, crescem os rumores de que Estevam será demitido ainda esta semana - quinta-feira o time pega em casa o Mogi Mirim, e domingo faz o clássico com o São Paulo, no Morumbi.Estevam se diz tranqüilo, quase conformado. "No futebol, quando o time não vence, sempre sobra para o treinador". Ele garante, porém, que não irá pedir demissão. Geninho, Muricy Ramalho e Péricles Chamusca são os preferidos dos conselheiros para substituí-lo.O processo de "fritura" de Estevam começou com a intenção da diretoria em contratar o meia Djalminha, apesar de o treinador ter se manifestado contra o negócio. A branda punição a Diego Souza foi apenas mais uma amostra que Estevam já não tem comando no clube. Diego o insultou publicamente, não pediu desculpas e, mesmo assim, será reintegrado ao elenco. Ou seja: virou bagunça.Punição mais severa Diego pode receber do Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paulista, que já requisitou a fita do jogo de domingo contra o União São João (2 a 2) para julgá-lo. O meia, que se revoltou por ter ficado só sete minutos em campo, pode ser punido de um a 10 jogos, por atitude contrária à disciplina e a moral desportiva.As imagens mostraram Diego falando uma série de palavrões para Estevam, que permaneceu impassível aos xingamentos. Entre uma ofensa e outra, o meia falou que era melhor ter ficado em casa. "Tenho família, pô!". O treinador, na hora, nem reagiu. "Não ouvi".Mas nesta segunda-feira, vendo a repercussão na mídia, o técnico resolveu agir. A primeira atitude foi afastar Diego. A segunda foi passar a questionar a índole do jogador, lembrando seu passado repleto de atos de indisciplina e sugerindo que ele tenha passado a noite de sexta-feira numa "balada". "Devia tê-lo deixado em casa, para que se recuperasse e dormisse melhor. Talvez fosse o caso de ele ter se concentrado desde a noite da antevéspera do jogo (sexta-feira)", disse Estevam.

Agencia Estado,

14 de fevereiro de 2005 | 20h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.