Palmeiras joga bem e vence o Santa: 3 a 1

O Palmeiras começou muito bem a segunda fase do Campeonato Brasileiro da Série B. Jogando no estádio Arruda lotado na noite deste sábado, o Alviverde venceu o Santa Cruz por 3 a 1 e deu um passo importante para a classificação para o quadrangular final do campeonato. Magrão, Edmílson e Vágner Love marcaram os gols do Palmeiras. Aílton fez o único gol do time pernambucano. Na próxima rodada do quadrangular, terça-feira, o Palmeiras recebe o Brasiliense no Parque Antártica. O Santa Cruz enfrenta o Sport. Na abertura deste grupo, na sexta-feira, o Brasiliense venceu o Sport por 1 a 0.O Santa Cruz entrou em campo muito nervoso. Apesar de ter o melhor retrospecto do campeonado jogando em casa (até então, em 11 jogos, havia vencido 9 e empatado 2), o time parece ter sentido o peso do jogo. Assustados, os jogadores pernambucanos cometiam seguidos erros de passe e faziam uma marcação confusa no meio-de-campo e nas laterais. Por conta disso, o time criou pouco. A única chance para marcar na primeira etapa surgiu aos seis minutos, numa cabeçada de Aílton no ângulo esquerdo e que Marcos fez ótima defesa. Depois disso, só deu Palmeiras. O time paulista avançou a marcação para a intermediária e quando retomava a bola, partia com velocidade no contra-golpe. Com dois volantes que desciam com qualidade ao ataque - casos de Magrão e Diego Souza - o time chegou várias vezes ao gol do Santa Cruz com muito perigo. Foi assim aos 9 com Edmílson; aos 15 com Vágner Love, e aos 17 com Diego Souza.A partir dos 20 minutos, o Palmeiras diminuiu um pouco o ritmo. Apesar disso, apertou a marcação e, assim, não permitiu que o adversário crescesse. Com a partida sob controle, o time de Jair Picernivoltaria a atacar com mais determinação a partir dos 40 minutos, criando novas oportunidades para abrir o marcador. Na primeira delas, após um escanteio, a zaga pernambucana tira a bola de cima da linha de gol. Um minuto depois, Vágner invade a área e chuta em diagonal: a bola passou raspando a trave direita de João Carlos. Aos 44, no entanto, não deu para segurar. Magrão apareceu livre na esquerda e tocou na saída do goleiro para fazer 1 a 0. Na verdade, o gol faria fazer justiça ao amplo domínio palmeirense na primeira etapa. ?Nós respeitamos demais o Palmeiras?, reconheceu o lateral Adriano. O Santa Cruz entrou para o segundo tempo tentando diminuir o prejuízo. Criou coragem e foi todo ao ataque. Mas o técnico Péricles Chamusca deve estar arrependido até agora pela opção. No primeiro contra-ataque, o Palmeiras fez 2 a 0. Vágner Love recebeu na intermediária e avançou até a entrada da área, quando passou para Edmílson que, mesmo num chute fraco, tocou rasteiro na saída do goleiro e marcar. Com o adversário abatido, o Palmeiras passou a jogar exclusivamente no contra-ataque, obedecendo à determinação de Picerni, que queria atrair o Santa para seu campo e descer rápido no contragolpe. E foi assim durante quase todo o segundo tempo.O jogo esquentou a partir dos 18 minutos, quando o Santa Cruz diminuiu. A partir de um escanteio pela esquerda, Aílton sobe entre dois zagueiros palmeirenses e cabeceia firme. Marcos não esboçou reação: 2 a 1. O Santa passou então a pressionar, em busca do empate. Preocupado com a reação do adversário, Picerni mudou o Palmeiras, reforçando a marcação: tirou Magrão e colocou Correia em campo. Logo em seguida, tirou Elson e pôs Adãozinho.Aos 31, de novo num contra-ataque, Vágner invade a área e é derrubado. O árbitro Carlos Eugênio Simon marcou pênalti, que, aos 33, o próprio Vágner cobrou e marcou. A partir daí, o time paulista só administrou a vantagem à espera do final da partida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.