Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras joga na Libertadores para evitar vexame precoce e aumento da crise

Time recebe Godoy Cruz com o objetivo de usar classificação para interromper pior fase da temporada

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

30 de julho de 2019 | 04h30

A Copa Libertadores deixou de ser um sonho para se transformar em um remédio para o Palmeiras. O time dono da melhor campanha da fase de grupos e um dos favoritos ao título deixou de lado a reputação de poderoso para enfrentar nesta terça-feira no Allianz Parque o Godoy Cruz, da Argentina, às 21h30, sob a grande pressão de se classificar para as quartas de final para não acumular um vexame e mergulhar na crise técnica.

Apenas a vaga para a fase seguinte pode amenizar um ambiente de cobrança, com protesto da torcida e muitas dúvidas sobre o motivo da queda de rendimento. São cinco jogos seguidos sem vitória, uma série marcada por eliminação na Copa do Brasil, perda da liderança e da invencibilidade no Campeonato Brasileiro, assim como o abalo na confiança sobre o elenco.

Pelo menos a situação não parece tão complicada. Por ter empatado por 2 a 2 na Argentina, o Palmeiras se classifica com uma vitória simples ou um novo empate, desde que seja 0 a 0 ou 1 a 1. Ao Godoy Cruz, interessa a vitória ou um empate acima de três gols. Se o placar for o mesmo da semana passada, a definição será nos pênaltis.

Por outro lado, a aparente facilidade da missão pode deixar o time ainda com mais responsabilidade para não voltar a decepcionar a torcida, como tem feito nos últimos jogos. “O jogo é importantíssimo e sabemos que será mais uma partida complicada, como já foi na Argentina. Respeitamos o time deles, mas confiamos no nosso futebol e iremos em busca dessa vaga”, disse Scarpa.  

Antes da Copa América, o Palmeiras acumulava somente duas derrotas na temporada e se orgulhava do aproveitamento de 77% conquistados no ano. O fim da parada para a disputa do torneio bagunçou a equipe a ponto de o rendimento despencar. Nos seis jogos realizados após a volta do calendário, o time só ganhou 33% dos pontos disputados.

A queda brusca leva o Palmeiras a decidir a permanência na Copa Libertadores longe da tranquilidade esperada para quem ganhou cinco dos seis jogos na fase de grupos. O foco principal é interromper a queda livre e não amargar um vexame. 

"Jogar no Palmeiras é uma pressão muito grande. Nos últimos jogos, as coisas não vêm acontecendo como a gente queria, e isso gera uma ansiedade no torcedor que a gente precisa lidar da melhor maneira possível e dar a resposta em campo", disse o meia Bruno Henrique.  

O técnico Luiz Felipe Scolari poupou alguns titulares na partida do último sábado, contra o Vasco, e deve ter força máxima no jogo. O ataque com Dudu e Willian agradou pelo desempenho na Argentina. Os dois devem ser mantidos. A dúvida é sobre quem será o centroavante. Borja marcou gol no jogo de ida e ganhou espaço, porém Deyverson também pode ser escalado.

A torcida tem demonstrado confiança. Já foram vendidos 32 mil ingressos. A esperança é o Palmeiras manter os 100% de aproveitamento dentro de casa, espantar a má fase e mudar o ambiente para o clássico com o Corinthians, no próximo domingo. O Godoy Cruz também poupou os titulares no último fim de semana. Pelo Campeonato Argentino, a equipe escalou só os reservas na derrota por 3 a 2 para o San Lorenzo, em Buenos Aires.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS X GODOY CRUZ

PALMEIRAS: Weverton; Marcos Rocha, Luan, Gustavo Gómez e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima; Dudu, Willian e Borja (Deyverson). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GODOY CRUZ: Mehring; Arena, Varela, Cardona e Aleo; Andrada, Gutiérrez e Bullaude; Merentiel, Santiago García e Brunetta. Técnico: Lucas Bernardi.

Árbitro: Esteban Ostojich (Uruguai)

Horário: 21h30

Transmissão: Fox Sports

Local: Allianz Parque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.