Palmeiras joga para superar trauma

O Palmeiras enfrentará o Grêmio neste sábado, às 18h10, em Pelotas, em busca de uma vitória que o mantenha firme na luta pelo título do Brasileiro ou, pelo menos, por uma vaga na Copa Libertadores. Mas também terá outro difícil desafio: superar a morte do zagueiro Serginho, do São Caetano.Não será uma tarefa fácil. O clube tem cinco jogadores que atuaram com o zagueiro no time do ABC. Os titulares Daniel, Lúcio e Magrão, além dos reservas Adãozinho e Claudecir, estão muito abalados. E o clima, que já era ruim, ficou ainda pior quando, momentos antes de a equipe partir para o Rio Grande do Sul, nesta sexta pela manhã, chegou a notícia de que a mãe do atacante reserva Alex Afonso também acabara de falecer. Alex foi liberado pela comissão técnica e não viajou para Pelotas."O momento é duro, mas o campeonato está aí. Temos que buscar muita força interior e tentar vencer esse jogo", diz o técnico Estevam Soares. "O ideal seria que essa rodada fosse adiada. Mas como não foi, precisamos da vitória. Esta é uma rodada importantíssima" Com 65 pontos, o Palmeiras está na quinta colocação, apenas quatro pontos atrás dos líderes Santos e Atlético Paranaense.Espírita, Estevam comandou uma longa sessão de orações por Serginho na quinta-feira. Deverá fazer o mesmo neste sábado, em memória da mãe de Alex Afonso. O técnico está muito preocupado com o moral do grupo. Vem conversando bastante com seus jogadores, tentando lembrá-los do momento importante que o time vive no campeonato (venceu os últimos três jogos e voltou às primeiras colocações).Quem tem despertado mais a atenção de Estevam é Magrão, de longe o mais abalado com a morte de Serginho. O técnico chegou a considerar a hipótese de poupar o volante, mas rapidamente mudou de idéia. "Ele tem força. Vai superar isso".Magrão não tem tanta certeza. Seu abatimento é comovente. Nos dois últimos treinos, chegou a chorar. Chorou também após uma entrevista coletiva. "Não dormi direito ainda. Não consigo esquecer (a morte de Serginho) e falo pelo grupo: não temos condições de jogar. Essa rodada tinha que ser cancelada. Vamos ter que jogar pela força de contrato, por obrigação", diz Magrão. "Não vou sentir prazer nenhum em jogar. Vamos entrar no jogo com o mesmo empenho de sempre, mas sem o prazer que tive em enfrentar o Atlético Paranaense, o Botafogo..."Antes de sair da sala de imprensa aos prantos, Magrão disse que vai para o jogo se espelhando na dedicação do amigo. "Vou tentar tirar força das lembranças que eu tenho do Serginho. Ele sempre foi um guerreiro, um batalhador. Era um profissional exemplar", disse Magrão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.