Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Palmeiras joga por 1.ª final internacional após 10 anos

Equipe precisa de um empate com o Goiás, no Pacaembu, para ir à decisão da Sul-Americana

DANIEL AKSTEIN BATISTA, Agência Estado

24 de novembro de 2010 | 08h02

Não é exagero falar que o torcedor palmeirense chegou a perder a fé no time nos últimos anos. Também não é exagero dizer que Luiz Felipe Scolari foi um dos principais responsáveis por fazer a torcida voltar a ter confiança no Palmeiras. A união e o apoio apareceram principalmente na Copa Sul-Americana e nesta quarta-feira, a partir das 21h50 (de Brasília, com transmissão do estadão.com.br e da rádio Eldorado/ESPN), Felipão espera um Pacaembu vibrante na decisiva partida da competição continental contra o Goiás.

Veja também:

linkGoiás esquece descenso para avançar na Sul-Americana

linkPalmeiras aposta tudo em Marcos Assunção para salvar a temporada 2010

Vale vaga na final. Após vencer por 1 a 0 em Goiânia, na semana passada, o Palmeiras só precisa de um empate para enfrentar o ganhador de Independiente e LDU, que jogam nesta quinta na Argentina - no jogo de ida, os equatorianos fizeram 3 a 2 em casa.

Faz 10 anos que o Palmeiras não chega a uma final de torneio internacional. Em 2000, perdeu para o Vasco a final da Mercosul. Felipão havia acabado de deixar o clube, no qual havia levado a Copa Libertadores de 1999. Uma década depois de sua saída, ele voltou. E nunca antes a torcida esteve tão confiante em um título.

O Palmeiras não poupou dinheiro nas últimas temporadas. Contratou os técnicos mais caros, mas só conquistou o Estadual de 2008, com Vanderlei Luxemburgo. Com Muricy Ramalho, o time nunca esteve tão próximo de levar o Campeonato Brasileiro, no ano passado, mas de repente a crise chegou. Mesma crise que continuou com a chegada de Felipão, durante a Copa do Mundo.

Os resultados demoraram a surgir e a equipe patinou no Nacional. Felipão nunca negou que os atletas não eram os ideais e que a Sul-Americana seria a competição a ser levada mais a sério no semestre. Deu certo. E o torcedor abraçou o time. Os 35 mil ingressos para o jogo foram vendidos antecipadamente. Contra o Atlético Mineiro, nas quartas de final, o clube já havia atingido seu recorde de público no ano: 35.054 pagantes. Número alcançado novamente.

O treinador tem usado os fatores extra-campo para motivar o grupo. "Mostramos aos jogadores o quanto o torcedor está esperando", contou. "Para minha carreira é ótimo (passar pelo Goiás). É mais uma decisão. Foi importante ter antecipado a minha volta em seis meses".

PALMEIRAS - Deola; Márcio Araújo, Maurício Ramos, Danilo e Gabriel Silva; Edinho, Marcos Assunção, Tinga e Lincoln; Luan e Kleber. Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GOIÁS - Harlei; Rafael Toloi, Ernando, Marcão e Douglas; Amaral, Carlos Alberto; Marcelo Costa e Wellington Saci; Felipe e Rafael Moura. Técnico: Arthur Neto.

Árbitro - Heber Roberto Lopes; Horário - 21h50 (de Brasília); TV - Globo, Band e SporTV; Rádio - Eldorado/ESPN (AM 700/FM 107,3); Local - Estádio Pacaembu, em São Paulo (SP).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa Sul-AmericanaPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.