Palmeiras lamenta chances desperdiçadas

Foram pelo menos seis chances claras de gol para o Palmeiras - duas no primeiro tempo, quatro no segundo. Teve até um pênalti perdido por Marcinho, e Saulo, o goleiro santista, saiu como o principal nome em campo. Dessa forma, não havia como os jogadores palmeirenses não citarem os erros de finalização como fator determinante para a derrota desta quarta-feira para o Santos, por 2 a 1, na Vila Belmiro. "A bola não quis entrar. Tentamos de todos os jeitos, lutamos muito. Mas infelizmente não deu", resumiu o zagueiro Gamarra.Com o resultado, o Palmeiras segue na sexta colocação com 42 pontos, podendo ser ultrapassado nesta quinta por Botafogo e Ponte Preta. "A gente criou chances, conseguiu o empate e teve chance de virar. Mas num cruzamento despretensioso, o time deles conseguiu o gol da vitória", comentou Pedrinho, que entrou no segundo tempo e teve pouco mais de 20 minutos em campo. "Jogamos bem e tivemos a possibilidade de sair com a vitória. Mas tomamos um gol que não poderíamos tomar de jeito nenhum. Que nos sirva de lição para o resto do campeonato", disse Marcinho. O meia-atacante marcou o dele - seu 16.º no Brasileirão -, mas lamentou muito o pênalti que desperdiçou aos 42 minutos do primeiro tempo, quando o time alviverde perdia por 1 a 0. Marcinho chutou à meia altura no canto direito de Saulo, que espalmou para escanteio. Batedor oficial de pênaltis do Verdão - já marcou oito gols desta maneira no Brasileirão - o meia não errava uma cobrança havia dois anos. "Bati forte no canto, como já havia feito várias outras vezes no campeonato. Mas, infelizmente, o Saulo defendeu", lamentou Marcinho. "A dor da derrota, no meu caso, é maior", emendou o meia-atacante.O próximo jogo do Palmeiras é domingo, contra o Goiás, no Palestra Itália. Todos os 19 mil ingressos para essa partida já foram esgotados. O lateral-esquerdo Fabiano e o volante Marcinho Guerreiro, que cumpriram suspensão na Vila Belmiro, ficam à disposição de Leão. Em compensação, o técnico não terá o meia-atacante Marcinho, que recebeu nesta quarta o terceiro amarelo. Essa pode ser a chance para Pedrinho voltar ao time titular. Warley é a outra opção. O volante Reinaldo, em fase final de recuperação de uma lesão na coxa esquerda, não deve jogar. Quem não anda com muita moral com os palmeirenses é Diego Souza, cuja imagem ainda está manchada por problemas de disciplina no passado. A maior parte da torcida do Verdão - que lotou o pequeno espaço destinado para ela - ignorou o meia e não gritou seu nome antes do jogo, como fez com os outros 10 titulares (e mais o reserva Marcos). É como se Diego ainda não "existisse" para essa parte da torcida. Só um pequeno grupo de torcedores, de um setor logo ao lado da Mancha Alviverde, esboçou um tímido incentivo a Diego antes do jogo. Quando ele foi substituído, porém, aos 24 minutos do segundo tempo (por Pedrinho), a vaia foi geral. A torcida pedia Pedrinho desde a etapa inicial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.