Palmeiras leva seu drama para o jogo contra o Vasco

Felipão sabe como poucos mexer com o ânimo de seus jogadores e fazer com que tudo seja usado como fator motivacional nos momentos de decisão. Acostumado a levantar taças, o treinador vive uma nova dura realidade e sua grande conquista no momento é evitar o rebaixamento do Palmeiras no Campeonato Brasileiro. Por isso, o clima para o jogo contra o Vasco, nesta quarta-feira, às 22 horas, no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, pela 24.ª rodada, está do jeito que o treinador gosta, ao melhor estilo "contra tudo e contra todos".

DANIEL BATISTA, Agência Estado

12 de setembro de 2012 | 08h43

Depois do Vasco, o jogo será contra o rival Corinthians. Por isso, essas duas rodadas serão cruciais para o futuro da equipe. Ciente da importância de pontuar nessas partidas, Felipão decidiu fechar os treinamentos na maior parte do tempo e realizar os testes para definir o time longe dos holofotes. Surpresas na escalação terão muito mais chances de acontecerem.

Além disso, o treinador faz questão de chamar a responsabilidade da situação para si e todas as polêmicas externas ele usa como fator motivacional para mostrar aos jogadores que ninguém acredita neles, mas ele não desiste. A diretoria também comprou a ideia. "Parece que já caímos, mas confiamos no grupo", reclamou o gerente de futebol, César Sampaio.

Uma motivação financeira também vale e será usada. A diretoria estuda a possibilidade de pagar um "bicho" extra aos atletas para escaparem do rebaixamento. Dirigentes aguardam apenas o departamento financeiro liberar um valor para ser oferecido aos atletas.

Para o jogo desta quarta, mistério na escalação. Leandro Amaro, titular contra o Atlético Mineiro, nem sequer foi relacionado. Thiago Heleno e João Vitor estão suspensos e Daniel Carvalho, embora recuperado de dores musculares, não aparece na lista dos convocados. Maikon Leite e Mazinho, antigos amuletos de Felipão, também não jogam.

A boa notícia é o retorno de Henrique, que estava suspenso, e Maurício Ramos, de volta após contusão. O primeiro pode atuar na zaga ou no meio e, com isso, Wellington entraria no time. Mas a grande novidade pode ser Barcos, que até esta terça estava com a seleção argentina para enfrentar o Peru, em Lima, pelas Eliminatórias da Copa de 2014.

O Palmeiras armou um esquema para trazer o atacante ao Rio de Janeiro até o horário do almoço para que tenha condições de jogar à noite. O esforço para buscar o argentino é válido. Dos 21 gols feitos pela equipe no Brasileirão, ele marcou sete, ou seja, 33,3% do total.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.