Palmeiras mais tranquilo após empate

O empate por 1 a 1 contra o Brasiliense, sábado à noite, na estréia na Série B do Campeonato Brasileiro, mudou o clima no Palmeiras. A tensão que antecedeu a partida deu lugar a brincadeiras entre os jogadores, que respiraram aliviados com o resultado. Alguns até aceitaram o convite de Zeca Pagodinho e foram assistir a um show do sambista nas proximidades do hotel, em Brasília. Neste domingo, antes do embarque para São Paulo, o reflexo do empate pôde ser visto no aeroporto, onde alguns torcedores correram em busca de autógrafos. Descartando o rótulo de líder, Magrão resumiu o sentimento do grupo. "Antes da partida contra o Brasiliense, conversei com o elenco e disse que não poderia se repetir jamais um resultado como o da partida contra o Vitória (quarta-feira passada pela Copa do Brasil), quando levamos de sete a dois. Mas confesso que estava com muito medo de que o Palmeiras perdesse de novo. Por isso demonstrei minha insatisfação. Tenho planos ambiciosos, sonho em defender a Seleção Brasileira, e preciso estar em uma equipe que tenha forças para reagir. O Palmeiras não pode fugir da responsabilidade. Está na segunda divisão e agora tem que jogar, se impor. O empate contra o Brasiliense foi bom pelas circunstâncias."O Palmeiras enfrenta o Vitória novamente na quarta-feira em Salvador e precisa vencer por seis gols de diferença para se classificar para as quartas-de-final da Copa do Brasil. Magrão lembrou que a equipe mostrou qualidade ao sair para jogar especialmente no segundo tempo. "Esse é o verdadeiro Palmeiras, capaz de movimentar a mídia como grande clube que é. Vamos manter essa personalidade daqui para frente."Zinho admitiu que também temeu pela sorte do grupo na estréia da segundona, mas ressaltou que no momento o importante é vencer vários jogos para ganhar confiança e afastar de vez as dúvidas em relação ao seu potencial. "O resultado de 7 a 2 contra o Vitória não pode servir como parâmetro, foi um jogo atípico. Mas mexeu com o grupo, sem dúvida. Por isso, empatar fora de casa contra uma equipe com bons jogadores como o Brasiliense foi interessante. Só quero deixar claro que nossa responsabilidade não é apenas com a torcida e sim com nós mesmos. Já tenho história no Palmeiras, mas quero fazer parte do grupo que conduziu o clube para a primeira divisão."Por outro lado, Zinho não escondeu o sentimento de frustração por ter que disputar a Série B. "A ficha só caiu quando entrei no vestiário e do lado de fora ouvi alguns torcedores gritando timinho. Naquele momento estava completamente aéreo. Não é fácil agüentar as brincadeiras. A realidade do Palmeiras não é essa, mas o grupo tem que brigar".O técnico Jair Picerni reconheceu que a equipe ainda se sente muito pressionada. Mas também retornou para São Paulo satisfeito. "Acho que se o time se arriscasse mais no segundo tempo poderia ter vencido. Mas importante foi enterrar definitivamente aquela derrota humilhante de 7 a 2 da semana passada. Fiquei desgostoso demais. Segunda divisão é bem diferente, a pegada é maior. Mas aos poucos vamos conhecer todos os adversários." Segundo o treinador, a equipe poderá mudar para as próximas rodadas. Embora não cite nomes, as atuações dos atacantes Vágner, que marcou o gol contra o Brasiliense, e Anselmo agradaram. Lúcio, emprestado pelo Ituano até o final do ano, tem boas chances de ganhar a posição de Marquinhos. "Devo ter logo logo pelo menos dois ex-juniores no time titular", afirmou Picerni.Indiferente ao assédio da imprensa, Vágner preferiu relembrar de seu passado recente, quando quase foi mandado embora do clube depois de ser flagrado com uma mulher na concentração durante a última edição da Copa São Paulo de Juniores. "Senti naquele momento que minha carreira poderia ter acabado. Mas recebi conselhos de algumas pessoas que realmente gostam de mim e aprendi. Voltei bem ao time e estou muito feliz por ter marcado meu primeiro gol como profissional."O volante Marcinho, que ganhou a posição após a boa estréia em Taguatinga, afirmou que o poder de recuperação da equipe será decisivo nas próximas rodadas. "Perseguimos o empate até o final e provamos que com calma é possível reverter situações desfavoráveis."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.