Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras mantém a defesa como ponto forte para o início do Brasileiro

Time mostra regularidade e bons números na marcação, apesar de momento ruim do ataque

Redação, O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2019 | 04h30

O Palmeiras vai iniciar neste domingo a disputa do Campeonato Brasileiro e assim como no ano passado, a defesa será o ponto forte do time. Depois de 20 jogos na temporada e do período de 15 dias de treinos nas últimas semanas, a equipe se consolidou com bons números no setor de marcação, fundamento importante em campeonatos de pontos corridos.

Com a regularidade de ter perdido só duas vezes em 2019, o Palmeiras só levou em seis das 20 partidas na temporada. O time do técnico Luiz Felipe Scolari foi vazado somente sete vezes, um média de 0,35 por partida. No ano passado, a equipe confirmou o título da Série A com o posto de melhor defesa do torneio: 26 gols sofridos em 38 rodadas.

"Nesta temporada, seguimos bem e só perdemos dois jogos. No domingo, iniciaremos mais um Brasileiro e sabemos que é um campeonato muito difícil e equilibrado. Começar bem é fundamental", comentou o zagueiro Gustavo Gómez, um dos destaques da defesa palmeirense. Nas 13 vezes em que o paraguaio jogou neste ano, em nove delas a equipe não sofreu gol.

Se a defesa foi bem neste início de temporada, o ataque não teve bom rendimento até agora. O Palmeiras marcou 31 gols em 20 jogos e chegou a amargar uma série de três partidas no ano sem conseguir balançar as redes. Mesmo com goleadas como os 5 a 0 no Novorizontino e os 4 a 0 no Melgar, o setor ofensivo não tem sido destaque.

O primeiro compromisso do Palmeiras no Campeonato Brasileiro será neste domingo, no Allianz Parque, contra o Fortaleza. As principais novidades do time devem ser as voltas do zagueiro Edu Dracena e do atacante Ricardo Goulart. Os dois foram poupados da última partida do time, contra o Melgar, no Peru, pela Copa Libertadores, e devem ganhar chance.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.