Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Palmeiras mira pausa na agenda para ter paz e recuperar jogadores

Após incidente com o ônibus, clube só volta a campo daqui 15 dias, pela Libertadores

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

11 de abril de 2019 | 04h30

A folga no calendário de 2019 vem em boa hora para o Palmeiras. Depois de ter vencido o Junior Barranquilla por 3 a 0, pela Copa Libertadores, nesta quarta-feira, a equipe terá 15 dias livres no calendário. Para o clube, o intervalo vem em momento adequado tanto para se preparar para o início do Campeonato Brasileiro, como para acalmar o ambiente após o incidente com o ônibus do time.

Antes do jogo com a equipe colombiana, o veículo que trazia os jogadores recebeu pedradas e garrafadas. Ninguém se feriu. No entanto, alguns atletas ficaram assustados, chegaram a chorar e a comissão técnica teve trabalho no vestiário para fazer os ânimos se acalmarem e manter o time focado para entrar em campo e conseguir conquistar a vitória.

Depois da partida, o técnico Luiz Felipe Scolari afirmou que o elenco tratou o incidente com naturalidade e pediu para o episódio não ter visibilidade. "Eu não tenho medo de bandido", disse. Em nota oficial, a diretoria condenou o episódio. "O lamentável ataque ao ônibus da delegação foi denunciado à Polícia Militar para que sejam tomadas as devidas providências com nossa total colaboração", diz o texto publicado pelo clube.

O Palmeiras terá como próximo compromisso o jogo com o Melgar, no Peru, no dia 25, pela Libertadores. Se empatar, o time garante vaga nas oitavas de final. A pausa de duas semanas vem como um remédio para o clube apaziguar os ânimos e evitar novos conflitos com a torcida. O time só volta a atuar como mandante no dia 29, na estreia pelo Campeonato Brasileiro, contra o Fortaleza.

O planejamento para as próximas semanas está definido. Treinos fechados na Academia de Futebol, com ênfase na parte física no primeiro momento e depois, enfoque em atividades táticas. O clube espera que as duas semanas sem compromissos possam amenizar a tensão criada nos últimos dias e que o elenco possa retomar a tranquilidade para o restante das competições no calendário.

Felipão pretende recuperar jogadores que estão com problemas físicos decorrentes de lesões ou da maratona de jogos. Marcos Rocha, Ricardo Goulart e Carlos Eduardo são os principais nomes nessa lista. "Vamos ter o começo de uma etapa em que todos os jogadores vão precisar estar bem fisicamente e tecnicamente. Nós vamos ter que rodar a equipe. Os jogadores sabem que não vão jogar todos os jogos. Eles têm a confiança em mim", comentou o técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.