Palmeiras não consegue registrar o contrato de Thiago Neves

CBF diz que único contrato válido é do Fluminense; Palmeiras ainda procura ressarcimento de R$ 2,4 milhões

Juliano Costa, Jornal da Tarde

10 de janeiro de 2008 | 19h30

O Palmeiras tentou registrar "na surdina" o contrato com Thiago Neves na Confederação Brasileira de Futebol na última terça-feira, mas não obteve sucesso. A CBF entendeu que o contrato, assinado em agosto, era "nulo", afirmou Eduardo Carlezzo, advogado do jogador.Veja também: Luxemburgo cai no pagode antes de jogo-treino Palmeiras goleia Francana em jogo-treino em Atibaia  Vanderlei Luxemburgo sonha com Sobis, mas acorda com Preá Nesta quinta-feira a entidade atestou que o contrato que vale é o do Fluminense. Thiago Neves foi registrado como jogador do Fluminense sob o número 597113/RJ no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF. "O contrato do Palmeiras com o Thiago foi considerado nulo por dois motivos: ele foi feito fora do prazo determinado para transferências livres, que é de seis meses antes do término do vínculo, e intermediado por um empresário não filiado à Fifa, o Luiz Alberto de Oliveira", explicou Eduardo Carlezzo. "Sendo assim, quem fica passível de punição é o Palmeiras, e não o Thiago. Há precedentes de clubes que ficaram impossibilitados de contratar qualquer jogador por três meses como forma de punição a atitudes como essa", emendou o advogado que representa os interesses do jogador.O Palmeiras contesta e promete fazer valer o que foi firmado por Thiago no pré-contrato - ou o jogador se apresenta ao clube, ou paga a multa rescisória de R$ 2,4 milhões (além de devolver os R$ 400 mil que recebeu no momento da assinatura do pré-contrato).

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFluminenseCBFThiago NevesBID

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.