Palmeiras não se conforma com o empate

?Foi um vacilo imperdoável da nossa equipe?. Dessa forma o meia-atacante Marcinho resumiu a lamentação palmeirense após o empate com o Coritiba por 1 a 1, nesta quinta-feira, no Palestra Itália.Além de descumprir uma meta estabelecida pelo técnico Emerson Leão ? a de conquistar todos os pontos disputados em casa ?, o Palmeiras perdeu a chance de chegar à ?elite? do Campeonato Brasileiro. Se tivesse vencido, assumiria a sexta colocação. Como empatou, ficou em nono. ?Perdemos uma grande chance de encostar nos líderes do campeonato. Deixamos escapar essa oportunidade?, lamentou Marcinho. ?Deveríamos ter vencido, até porque o Coritiba não fez nada de excepcional para empatar?, emendou o meia-atacante.Artilheiro do Brasileirão com 14 gols, Marcinho perdeu duas boas chances de marcar no segundo tempo. ?Tem dia que a gente não é feliznas conclusões. Fazer o quê?? O volante Marcinho Guerreiro também lamentou as chances desperdiçadas. ?Perdemos dois gols que não poderíamos perder. E quem não faz, toma. Por pouco, o Coritiba ainda não fez o segundo?, disse o Guerreiro. ?Isso não pode! Isso é brincadeira?, bradou em seguida.Sem a vitória, o time palmeirense voltou a experimentar a sensação de ser vaiado pela sua própria torcida no Palestra Itália. Os torcedores pouparam apenas um jogador: o zagueiro Gamarra. ?Fico feliz com esse carinho da torcida e por ter sido escolhido o melhor em campo. Mas fico triste por não termos conseguido o resultado?, disse o paraguaio.Para o goleiro Sérgio, o maior problema do Palmeiras foi o setor de marcação. ?Devíamos ter marcado mais em cima, encurtado o meio-de-campo?. Sérgio disse ainda que ?agora vamos precisar recuperar esses pontos fora de casa?.O atacante Washington, autor do gol palmeirense, também lamentou uma chance perdida. ?Aproveitei a oportunidade de fazer um gol e tive ainda mais uma chance para marcar, de cabeça, mas o goleiro infelizmente defendeu. Se eu tivesse tirado um pouco mais para o lado, teria sido gol?, disse Washington.Para os jogadores do Palmeiras, o Campeonato Brasileiro chegou a um momento crucial. Nas próximas quatro rodadas, o Verdão encara clubes que estão à sua frente na tabela, na luta por uma vaga na Copa Libertadores e ? por que não? ? pelo título nacional. Exemplo: domingo, o Paraná Clube, sexto colocado, em Maringá. Depois, Cruzeiro (dia 17); Santos (21) e Goiás (25). O meia Juninho diz: ?Chegamos no ponto em que não podemos mais vacilar. Não adianta ficar vários jogos sem perder, mas apenas empatando. O time não soma tantos pontos e não sobe na classificação. O Palmeiras tem de entrar sempre para ganhar.? O atacante Muñoz, que não ficou nem no banco de reservas, também não deve enfrentar o Paraná. O técnico Emerson Leão não tem esperanças de que o jogador colombiano mostre um futebol de alto nível ainda este ano, já que passou 14 meses sem chutar uma bola devido a uma séria lesão nos ligamentos do joelho esquerdo. ?É como se eu estivesse preparando o Muñoz para que entrasse em férias. Quando ele estiver pronto, totalmente em forma, já estaremos em dezembro, quando acaba a temporada. Só em janeiro, quando retornar das férias com os demais jogadores, é que poderei contar com ele?, diz Leão, lembrando que o atacante chegou a ficar com mais de cinco quilos acima do peso durante o período de recuperação das duas cirurgias que sofreu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.