Palmeiras-NE muda de cidade

Irritado com as acusações de calote e reclamando de perseguição da imprensa, Epitácio Pessoa, o presidente do Palmeiras-NE, decidiu mudar a sede de Feira de Santana, a 108 quilômetros de Salvador, para Candeias, na região metropolitana da capital baiana. A partir de 2004, o clube (uma espécie de sucursal da Sociedade Esportiva Palmeiras), mandará seus jogos no Estádio David Caldeiras, para 8 mil pessoas, em Candeias."Houve um ciúme muito grande de parte da turma do Fluminense, o time mais antigo de Feira de Santana, no momento em que o Palmeiras-NE começou a fazer sucesso", diz Pessoa, acusando 99% da imprensa feirense de torcer pelo Fluminense e não engolir o "porco baiano".Segundo ele, as acusações que aparecem nos jornais e rádios de Feira de Santana seriam motivadas apenas por causa desse "despeito do dono da cidade" - o tradicional Flu de Feira, como é carinhosamente conhecido pelos torcedores baianos.Epitácio Pessoa fez questão de rebater todas as acusações. Sobre os sete jogadores dispensados que reclamam o não-recebimento de direitos trabalhistas, garante ter feito acordo com todos, acertando o pagamento entre três e cinco parcelas.O atacante Reinaldo, por exemplo, um dos que mais se queixam, assinou a rescisão contratual em 4 de abril de 2003. Outro reclamante o meia Renato já teria recebido as quatro parcelas do total de R$ 800 da indenização.Sobre o imóvel alugado usado como concentração em Feira de Santana, Pessoa negou estar devendo quatro meses de aluguel. Admitiu apenas um, a ser quitado, segundo ele, na segunda-feira, dia 15. Do mesmo modo, disse que tem "pequenos débitos" com fornecedores de alimentos da concentração, "que serão pagos".Em relação a Manoel Mascarenhas Lima - que entrou com uma reclamação trabalhista alegando ter ocupado o posto de gerente financeiro do Palmeiras-NE -, Epitácio Pessoa disse que ele está "mentindo" pois "nunca trabalhou no clube".Depois de conquistar a Taça Bahia no sábado passado, Epitácio Pessoa acredita que o Palmeiras-NE irá continuar em ascensão devido à mudança de Feira para Candeias."Temos o apoio da prefeitura inclusive para implantar o futebol feminino no clube", comentou o dirigente, negando também que a parceria com o Palmeiras de São Paulo está para ser encerrada no fim do ano. "Nossa proposta é produzirmos bons jogadores para exportarmos para a Sociedade Esportiva Palmeiras", disse, informando que o meia-atacante Élton, de 18 anos, deve ser o primeiro bom valor do clube baiano que pode seguir para a matriz.Enquanto Pessoa se defende dos seus desafetos, o advogado Rubens Santos patrocina ações de cinco ex-funcionarios do Palmeiras-NE contra o clube baiano e o paulista. Na semana passada, na Justiça do Trabalho de Feira de Santana, foi realizada mais uma audiência na ação em que Manoel Lima pede uma indenização de R$ 20 mil. Os advogados do Palmeiras-SP conseguiram adiar mais uma vez o julgamento, requerendo a retirada do clube paulista da reclamação.O advogado Rubens Santos representa também os jogadores Reinaldo e Germínio, um ex-massagista (que já fez acordo) e um ex-motorista do clube. Prepara na Justiça Comum uma ação indenizatória do ex-presidente Dílson Pedreira, do Independente (clube que se transformou no Palmeiras-NE), contra Epitácio Pessoa. Aparentemente a briga ainda deve durar algum tempo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.