Palmeiras negocia com Jair Picerni

O Palmeiras negocia a contratação de Jair Picerni para 2003. A diretoria e o treinador, atualmente no Guarani, conversam desde o início da semana e estão perto de um acordo. Faltam, porém, alguns detalhes, como a composição da comissão técnica. Picerni é o preferido da maioria dos conselheiros e tem boa aceitação com o presidente Mustafá Contursi, que é realmente quem manda no Palestra Itália.Embora não tenha conquistado grandes títulos na carreira, Picerni vem sendo cogitado para o cargo desde o fim do ano passado - ganhou prestígio com o bom trabalho à frente do São Caetano. Fez campanha razoável com o Guarani no Campeonato Brasileiro e a intenção do clube de Campinas é mantê-lo para a próxima temporada. Mas não vão segurá-lo caso receba uma boa proposta.Depois de um mês da última partida do time no Campeonato Brasileiro - derrota para o Vitória por 4 a 3, em 17 de novembro -, Mustafá Contursi resolveu se mexer e correr atrás de um treinador. Procura manter as negociações em sigilo porque ainda nem sequer entrou em contato com Levir Culpi para contá-lo que não faz parte dos planos para o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil, competições do primeiro semestre. Levir está em Curitiba com a família e interessa ao Botafogo-RJ. Não foi consultado pela diretoria palmeirense sobre a contratação do zagueiro Índio nem sobre a liberação de oito jogadores.Picerni também não é considerado dos mais caros. Aceitaria trabalhar por cerca de R$ 80 mil mensais, valor bem inferior ao que, por exemplo, Emerson Leão pediu para renovar com o Santos.O segundo nome da lista é justamente o do atual campeão brasileiro. O treinador conta com um aliado importante. Bernardo Francez, conselheiro ligado a Mustafá, é amigo de Leão e o quer dirigindo o time de Palestra Itália. Francez é um dos proprietários da Estância Santa Filomena, em Jarinu, onde o Santos passou a última semana se preparando para a decisão do Brasileiro. Na noite desta quarta-feira, o conselheiro se reuniu com o presidente palmeirense.Leão, no entanto, tem grande rejeição no Palmeiras e a maioria dos conselheiros é contrária à sua contratação. Sua única passagem como treinador foi em 1989, quando a equipe foi semifinalista do Campeonato Paulista. Posteriormente, o ex-goleiro chegou a se desentender com algumas pessoas do clube e nunca teve bom relacionamento com Mustafá. Até agora, o dirigente não fez nenhuma proposta ao técnico santista.Vitória certa - Embora sofra pressão de torcedores e de alguns conselheiros para deixar o cargo, o atual presidente do Palmeiras não tem nenhuma dúvida de que será reeleito para mais dois anos de mandato. Por isso, trabalha tranqüilamente pensando na próxima temporada e na montagem do elenco.As eleições já foram marcadas para o dia 6 de janeiro e, pelas estimativas feitas no clube, Mustafá vencerá o oposicionista Luiz Gonzaga Belluzzo com boa vantagem. Apesar dos esforços da oposição, Belluzzo dificilmente conseguirá mais que 80 votos e o atual comandante deverá receber mais que o dobro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.