Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Palmeiras paga R$ 135 milhões a Nobre e fica a R$ 11 milhões de quitar dívida

Clube se aproxima da devolução do valor emprestado ao ex-presidente e deve pagar o restante ainda neste ano

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

29 de abril de 2018 | 07h00

O Palmeiras está bem perto de quitar os empréstimos feitos pelo ex-presidente, Paulo Nobre, ao clube em 2014 e 2016. O balanço divulgado pela diretoria e publicado na edição deste sábado do Estado mostra que no último ano o valor repassado ao dirigente chegou a R$ 135,1 milhões, montante que corresponde a 93% do valor total de R$ 146 milhões que devem ser devolvidos.

+ Menino de oito anos 'foge de casa' para ver o Palmeiras

+ Empréstimo dificulta continuidade de Michel Bastos para 2019

Na última temporada foram destinados R$ 22,1 milhões para esta finalidade. Os cerca de R$ 10,9 milhões restantes para ser devolvidos devem ser repassados ainda neste ano, bem antes da previsão inicial. Em 2014, quando o acordo do empréstimo foi selado, a previsão era que a dívida fosse quitada em um prazo de dez a 15 anos. A conclusão da pendência é, inclusive, uma meta do atual presidente, Mauricio Galiotte.

Os pagamentos para a abater a dívida com Nobre são feitos a dois fundos bancários. Um deles, criado em novembro de 2016, foi pago integralmente no ano seguinte. O valor era de R$ 43 milhões. A parte restante a ser paga se refere aos R$ 103 milhões repassados por Nobre. Desse montante, desde maio de 2015 o clube começou a pagar parcelas correspondentes a 20% do valor de receitas de direitos de transmissão, patrocínio e programa de sócio torcedor.

Ainda sobre essa parte final do empréstimo, o clube transferiu em 2016 cerca de R$ 68,6 milhões e outros R$ 22,1 no último ano. O mesmo balanço mostra que o Palmeiras fechou 2017 com superávit de 57 milhões. Nobre se afastou da política palmeirense nos últimos meses e rompeu relações com o antigo aliado Galiotte por divergências.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.