Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Divulgação/AE
Divulgação/AE

Palmeiras passa o chapéu para arrecadar dinheiro da compra de Wesley

O clube tem de depositar 2 milhões de euros da primeira parcela em 28 dias

Daniel Akstein Batista, estadão.com.br

26 de fevereiro de 2012 | 15h51

PRUDENTE - O Palmeiras vai inscrever hoje Wesley no Campeonato Paulista, mesmo sem ter depositado os primeiros 2 milhões de euros (R$ 4,6 milhões) ao Werder Bremen. E espera que os torcedores ajudem na contratação do volante. O clube já tem uma carta de crédito que vence no dia 25, mas precisa arrecadar o dinheiro para poder enviar ao time alemão.

Sem o montante disponível ainda, o Palmeiras apelou para a famosa "vaquinha". "Por causa da nossa impossibilidade financeira, abrimos para que os torcedores possam participar da nossa contratação", disse César Sampaio, diretor de futebol. "Temos um prazo de 30 dias (28 agora) para fazer um depósito na conta do Bremen. Mas a liberação dele só vem com a confirmação da primeira parcela. Esperamos que os torcedores possam ajudar. Até eu vou fazer minha contribuição."

O Palmeiras só aguarda o aval do clube alemão para assinar contrato de três anos com Wesley, que realizou seu primeiro treino com a camisa palmeirense na tarde de sexta-feira.

A campanha para trazer Wesley começou domingo, com o lançamento do site www.wesleynoverdao.com.br. Os jogadores entraram com faixa com essa inscrição na partida com o São Paulo em Presidente Prudente. "É um projeto inovador. Todos sabem que estávamos em contato com investidores e a contrapartida não era benéfica para o Palmeiras."

No site aberto para a arrecadação, o torcedor palmeirense poderá dar lances mínimos de R$ 100, por meio de cartão de crédito. Se a campanha não atingir R$ 21 milhões, o dinheiro não será debitado dos que se propuseram a ajudar.

Sem conseguir convencer os alemães a negociar menos que os 100% dos direitos de Wesley, o Palmeiras não teve outro recurso e se comprometeu a pagar os 6 milhões de euros pelo jogador. O problema era obter o dinheiro da primeira das três parcelas, que já tinha de ser paga agora. As outras ficaram para o mês de  fevereiro de 2012 e 2013.

Com a perda do primeiro investidor, o presidente do Palmeiras, Arnaldo Tirone, teve de correr atrás de outros parceiros. Agora, espera a contribuição da torcida para trazer o volante. Sampaio, no entanto, admite que a negociação pode naufragar caso o clube não consiga o apoio da torcida nem de novos investidores.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasCampeonato Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.