Palmeiras pega o Fla para manter boa fase fora de casa

Enfrentar o Flamengo no Rio costuma ser motivo de preocupação para a maioria dos adversários. Para o Palmeiras, apenas o fato de o jogo ser longe de São Paulo já pode ser comemorado. A equipe de Luiz Felipe Scolari tenta manter a boa fase fora de casa, a partir das 18h30 deste sábado, no Engenhão.

DANIEL AKSTEIN BATISTA, Agência Estado

25 de setembro de 2010 | 08h13

Felipão tem um outro motivo para festejar. Ele e a torcida. Aos poucos, o Palmeiras vai se acertando, com todos os jogadores à disposição. Lincoln voltou a ser relacionado após mais de 40 dias - ele se machucou no clássico contra o Corinthians, em 1.º de agosto. Mas não teve a titularidade confirmada pelo treinador. "Já estava com saudade do ambiente de tensão que envolve as partidas", disse o meia, por meio de sua assessoria. "Todos sabem que o ritmo só vem com os jogos, mas farei o possível para que a minha vontade supere tudo."

A presença de Lincoln não será a única novidade palmeirense no Rio. Valdivia, suspenso no triunfo de 1 a 0 sobre o lanterna Prudente, está de volta. "Temos de observar a parte física e técnica dos dois para saber se aguentam os 90 minutos correndo e marcando. Essa semana (de treinos) foi ótima para eles", diz Felipão. "Praticamente estamos com todos os jogadores nas suas melhores condições e começaremos a ter um time com mais qualidade."

Se Lincoln atuar desde o início, Valdivia será adiantado para o ataque. Sem o meia, o chileno fará o papel de armador, com Tadeu e Kleber na frente. Felipão comemora as variações que está conseguindo. E vibra também com a melhora de Gabriel Silva. O garoto, que disputou a Copa São Paulo de Juniores em janeiro, passou por altos e baixos no clube. Ganhou a posição, se machucou, foi para a reserva. Era preterido até por dois que não são especialista na lateral-esquerda: Fabrício e Rivaldo. Hoje, volta a ser titular. "Ele correspondeu em Prudente", lembrou Felipão.

AGORA VAI? - O Palmeiras ainda não conquistou duas vitórias seguidas no Brasileiro e a hora, dizem jogadores, é agora. O time que não vence em casa há quatro jogos também não perde como visitante há nove rodadas. E Felipão sabe o motivo. "Quando jogamos fora, o oponente vem para cima e jogamos no contra-ataque. É normal se ter um bom retrospecto fora, já que o time não é obrigado a vencer e não joga em cima do adversário", explica. "Em casa a gente se expõe mais e é pressionado pela torcida - o que é normal."

O treinador avisa que o Palmeiras jogará com cautela, sem agredir tanto o Flamengo. "Temos de ter uma constante na hora de jogar", diz, lembrando que ficou mais difícil conquistar uma vaga na Libertadores - apenas os três primeiros colocados se classificam. "Estamos longe do G-3. E bem longe. Temos de pensar se direcionamos nosso alvo para a Sul-Americana ou se vamos esperar para ver o que conseguiremos no Brasileiro", questiona.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCampeonato BrasileiroPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.