Palmeiras perde nos pênaltis: 3 a 2

O Palmeiras está fora da final da Libertadores da América. O time brasileiro perdeu para o Boca Junior por 3 a 2, na decisão por pênaltis, depois de um empate por 2 a 2 no tempo normal (mesmo placar da primeira partida semifinal em Buenos Aires). Na metade do primeiro tempo, o Palmeiras já perdia por 2 a 0. O empate foi conseguido com um jogador a menos (Alexandre fora expulso) e o Boca terminaria também com dez jogadores, depois da expulsão Matellan. O resultado repete a decisão do ano passado, quando os argentinos levaram a melhor, também em São Paulo.Agora o time de Carlos Bianchi vai torcer nesta quinta-feira para que a equipe mexicana do Cruz Azul se classifique para a decisão, diante do Rosário Central, da Argentina. Dessa forma, o Boca estará automaticamente classificado para a disputa do Mundial Interclubes, em Tóquio, uma vez que os mexicanos, por não pertencerem à Conmebol, não estão aptos a representar a América do Sul.Bem que o técnico Celso Roth tentou surpreender. Ao contrário do que se esperava, ele abriu mão do esquema com três volantes e entrou com Juninho na frente. Mas, logo aos 2 minutos, Leonardo e Felipe trombaram na entrada da área. A bola sobrou nos pés de Giménez, que chutou colocado para a defesa de Marcos. No rebote, Gaetán só tocou para fazer 1 a 0.O gol desestruturou completamente a equipe brasileira, tanto tática quanto emocionalmente. O meia Riquelme, inspirado, deitou e rolou no meio da defesa. Aos 17, ele recebeu a bola na intermediária, avançou e, mesmo com três defensores na marcação, conseguiu chutar, no canto esquerdo de Marcos, ampliando para os argentinos.Apesar da superioridade do adversário e do nervosismo, os palmeirenses ainda conseguiram equilibrar o jogo. Aos 26, o juiz Oscar Ruiz anulou um gol legal de Fábio Júnior. O auxiliar Daniel Wilson marcou impedimento. Dez minutos depois, o mesmo Fábio Júnior, aproveitando cruzamento de Juninho pelo lado esquerdo, dominou a bola e girou. O chute saiu fraco, porém à meia altura, enganando o goleiro Córdoba e diminuindo para os donos da casa.Porém, a esperada reação dos brasileiros esbarrou num momento de violência. Dois torcedores invadiram o gramado, contando com uma falha do esquema policial, e agrediram Wilson, em represália ao gol anulado. Wellington Oliveira Almeida, um dos invasores, acabou detido. O jogo foi interrompido por oito minutos, para que o auxiliar fosse atendido. Ele sofreu uma forte pancada na região superior do olho esquerdo. Bastou a partida recomeçar para que o zagueiro Alexandre fosse expulso após uma entrada violenta em Traverso.O segundo tempo começou com novo susto para o Palmeiras. Ibarra chutou, Marcos toca e a bola bate na trave. Aos 13, Roth acerta ao colocar Muñoz no lugar de Juninho. Aos 21, Arce cobrou escanteio pelo lado esquerdo, a bola desviou em Bermúdez e entrou. O empate colocou fogo no jogo. Lopes, Muñoz e Fábio Júnior tiveram chances, mas não concluíram.O Palmeiras iniciou a série de cobranças, mas Alex teve seu chute defendido por Córdoba. Riquelme marcou então para o Boca e Lopes empatou para o Palmeiras. Traverso mandou por cima do travessão de Marcos a segunda cobrança argentina e Basílio jogou nas mãos de Córdoba a chance de colocar o Palmeiras na frente. Delgado colocou o Boca novamente em vantagem, mas Muñoz também marcou e manteve o Palmeiras na luta. Bermudez fez o terceiro do Boca, mas Arce bateu e Córdoba defendeu, garantido o time argentino na final sem a necessidade da quinta cobrança.

Agencia Estado,

14 de junho de 2001 | 00h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.