Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Palmeiras perde para o Santos na Vila e vê vantagem na ponta diminuir

Alviverde fica cinco pontos na frente do Fla e Alvinegro entra no G-3

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

29 Outubro 2016 | 21h46

O Palmeiras entrou no gramado da Vila Belmiro sabendo que Flamengo e Atlético Mineiro, rivais diretos na briga pelo título do Campeonato Brasileiro, haviam empatado por 2 a 2 no Mineirão. Era a senha para aumentar a vantagem e praticamente definir o título. Não conseguiu. Acuado no segundo tempo, o líder perdeu para o Santos por 1 a 0, gol do colombiano Jonathan Copete. Com o resultado, o Santos assumiu o terceiro lugar, que dá vaga direta para a Libertadores. O Palmeiras perdeu uma invencibilidade de 15 jogos. 

A vitória santista não significa necessariamente que a disputa pelo título foi reaberta. A vantagem do Palmeiras ainda é confortável. São cinco pontos faltando cinco rodadas para o final do torneio. No início da rodada, a vantagem era de seis pontos para o Flamengo. Os próximos jogos devem mudar de novo o jogo de xadrez: o Palmeiras recebe o desesperado Inter enquanto o Flamengo faz o clássico contra o Botafogo.

O clássico começou movimentado e elétrico. O Santos procurava as laterais, abrindo o colombiano Copete pela esquerda e empurrando Victor Ferraz para pressionar Zé Roberto pelo lado direito. O esquema com três atacantes flutuava com frequência. O Palmeiras adotou a mesma estratégia, explorando a velocidade de Gabriel Jesus e Dudu. O técnico Cuca resolveu o mistério da escalação de maneira simples. Escalou Fabiano na direita, Jean no meio e Allione no ataque (Lucas Barrios sentiu um problema muscular  pouco antes do jogo). A novidade foi a escolha do novato Vinicius Silvestre no gol para substituir Jailson, suspenso por acúmulo de cartões. 

A rivalidade entre os dois clubes, acentuada com as duas finais recentes - o título santista no Paulista de 2015 e a revanche do Palmeiras na Copa do Brasil do mesmo ano -, deixou o mais disputado e travado do que técnico e refinado. O árbitro Dewson Freitas da Silva preferiu não marcar todas as faltas. O técnico Dorival Junior foi o primeiro a pedir para o Santos colocar a mão no chão e evitasse as "pedradas".

O Palmeiras foi o primeiro a conseguir esfriar a temperatura do jogo. Com boa movimentação de Tchê Tchê e Allione, a equipe mostrou maturidade para tocar a bola e fazer seu jogo na Vila Belmiro. As chances, no entanto, foram raras. O lance mais perigoso do Palmeiras foi um cruzamento de Allione que o goleiro Vanderlei teve de desviar com a ponta dos dedos, tirando da cabeça de Gabriel Jesus. 

No segundo tempo, o Santos seguiu a orientação de Dorival Junior e adiantou a marcação, o que colocou os zagueiros em apuros. Essa estratégia, aliada ao jogo pelos lados do campo novamente, deixou o time da casa perto do gol. Aos 21 minutos, Lucas Lima cruzou, a bola bateu na zaga e Copete abriu o placar. 

O gol de Copete manteve alguns tabus. O Palmeiras não vence na Vila há onze jogos – foram nove derrotas. Gabriel Jesus vai se despedir do Palmeiras sem ter feito gols em nenhum dos 19 clássicos que disputou – ele vai para a Inglaterra no final do ano. O Santos reafirmou sua força para buscar uma vaga na Libertadores e está colado no vice-líder Flamengo. Essa briga está aberta.

FICHA TÉCNICA

SANTOS 1 X 0 PALMEIRAS

GOL - Copete, aos 21 minutos do segundo tempo.

SANTOS (4-3-3) - Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe (Noguera), David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Jean Mota (Yuri), Ricardo Oliveira e Copete. Técnico: Dorival Júnior.

PALMEIRAS (4-4-2): Vinicius Silvestre; Fabiano (Leandro Pereira), Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Jean, Tchê Tchê e Moisés; Allione (Cleiton Xavier), Dudu (Rafael Marques) e Gabriel Jesus. Técnico: Cuca. 

JUIZ - Dewson Freitas da Silva (PA).

CARTÕES AMARELOS - Mina, Lucas Lima, Zeca, Ricardo Oliveira, Moisés, Mina e Noguera. 

PÚBLICO - 13.574 pagantes.

RENDA - R$ 413.390,00.

LOCAL - Vila Belmiro, em Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.