Palmeiras perde Pedrinho. De novo.

O meia Pedrinho deixou o treino de hoje abatido. Com motivo. Seu calvário parece não ter fim. O jogador, que seria titular diante do Vitória, quarta-feira, no Palestra Itália, pela Copa do Brasil, sofreu contusão na coxa direita e desfalcará a equipe. "Acho que desta vez abriu", afirmou, referindo-se à dor no local. Na manhã desta terça-feira, após exame de ultrassonografia, será constatado o grau da lesão, que pode afastá-lo dos gramados por algumas semanas. "Pode ter sido um estiramento", disse o médico Vinícius Martins. O atleta, que também deverá ficar fora da estréia da equipe na Série B do Brasileiro, sábado, contra o Brasiliense, vem sofrendo com seguidas contusões, embora tenha só 25 anos. Já passou por três cirurgias nos joelhos e raramente conseguiu ter boa seqüência de jogos. Quando iniciou a carreira, no Vasco, chegou a ser cotado para a seleção brasileira, mas sua condição física não permitiu. No fim de 2001, quando estava se ambientando no Palmeiras, teve o joelho esquerdo operado por problemas de ligamento. Retornou apenas no segundo semestre do ano passado, quando se desentendeu com o técnico Levir Culpi e foi pouco aproveitado. A fase inglória afetou sua cabeça. Por isso, começou a fazer trabalho com o psiquiatra Antônio Hélio Guerra, que lhe receitou antidepressivos. De acordo com Guerra, Pedrinho teve uma "depressão importante", ou seja, não tão simples. Mas está recuperado. Alguns colegas de clube temem, porém, que a nova contusão possa prejudicá-lo. Pedrinho também ficou fora da reta final do Campeonato Paulista por lesão. E estava ansioso para voltar a jogar depois de mais de três semanas sem disputar uma partida oficial. O último compromisso do Palmeiras foi no mês passado, contra o Criciúma. Sua decepção era visível. "É chato, passamos quase quatro semanas sem jogar e bem agora, às vésperas do jogo com o Vitória, tenho esse problema... É difícil." Com a ausência de Pedrinho, Zinho foi confirmado pelo técnico Jair Picerni como titular. O meio-de-campo deverá ter, também, Adãozinho, Corrêa e Magrão, atuando com mais liberdade. A Mancha Alviverde promete protestar durante a partida. Os alvos principais são Índio, Neném e Leonardo. "Acho injusto", disse Índio. "É ruim, tira a confiança do time", opinou Zinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.