Palmeiras: Picerni cobra mais empenho

Os jogadores do Palmeiras ouviram um verdadeiro sermão de Jair Picerni antes do treinamento coletivo de hoje. O treinador cobrou mais empenho de todos e disse que não vai aceitar atuações tão fracas como nas duas últimas partidas - empate por 0 a 0 contra o Atlético-MG no Parque Antártica e derrota por 1 a 0 para o Inter em Porto Alegre. O treinador concorda com a torcida: já passou da hora de o Palmeiras reagir na série A do Campeonato Brasileiro. A resposta do time não pode passar de quinta-feira, contra o Vitória-BA, no Parque Antártica. "Esse é o nosso jogo, independentemente de quem será o nosso adversário", sentenciou o técnico. "O Vitória já judiou muito do Palmeiras mas não é isso que vai nos motivar. O time precisa do resultado positivo e tem que vencer imediatamente". Além do ?pito?, Picerni trocou algumas peças. O goleiro Sérgio substitui Marcos, que está com a Seleção Brasileira na Hungria. O treinador ainda confirmou Alceu no meio-de-campo e Muñoz no ataque. Assim, ele volta a adotar o esquema tradicional, com quatro zagueiros e dois atacantes. O meio-de-campo também será bem mais ofensivo. Dos quatro escolhidos pelo técnico, só Corrêa deve ficar um pouco mais preso. Alceu, pelo meio, Magrão pela direita e Pedrinho pela esquerda terão a incumbência de organizar as jogadas e devolver a velocidade ao ataque. "Espero que o Palmeiras faça tudo o que deixou de fazer nas duas primeiras partidas", observa o treinador. "Não somos uma equipe de toque de bola. Somos uma equipe de velocidade, que só sabe jogar ofensivamente. Cobrei isso dos jogadores". Para ser mais claro, Jair disse que o time precisa combinar a pegada que tinha na série B com um pouco mais de técnica. "Não quero que os erros se repitam", insistiu o técnico. "Em Porto Alegre, rodamos, rodamos, rodamos e não passamos do meio-de-campo. Isso não pode mais acontecer". Jair foi o primeiro a reconhecer que o Palmeiras deve enfrentar pressões no jogo de quinta. Mesmo assim, não teme um comportamento agressivo por parte da torcida. "A gente sabe o que é o Palmeiras quando perde. Aqui, uma derrota vale por 10. Se o time não ganha, o que você acha que eles vão dizer? Que o Picerni é bom? Que o Picerni é bonito? Claro que não. A mesma coisa é com o time. Por isso eu acho que a resposta tem que vir agora, até pelo que nos espera na sequência da semana (o clássico contra o Corinthians, no domingo)". Os jogadores entenderam o recado do técnico e prometem algo bem melhor. A volta de Muñoz também foi comemorada. "Um velocista como ele sempre faz falta", anima-se o técnico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.