Palmeiras planeja provocar Fábio Costa

Explorar o descontrole emocional dos jogadores do Santos. Esta é a fórmula que o Palmeiras encontrou para superar o adversário no clássico deste domingo, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Paulista. A tática já começou a ser utilizada e o principal alvo das provocações será o goleiro Fábio Costa.O atacante Tuta, que foi companheiro do goleiro santista no Vitória (BA), contou que o adversário se irrita facilmente e já arranjou diversas brigas por causa de seu temperamento explosivo. Em muitas delas foi expulso e prejudicou a equipe. "O Fábio Costa fica nervoso facilmente. É só conseguir irritá-lo que poderemos levar vantagem", aposta Tuta, que disputa uma vaga de titular com Fábio Júnior.Como exemplo, Tuta citou um tumulto do qual o goleiro participou, em 1999, num jogo contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte, quando defendia o Vitória. "Ele arranjou uma confusão durante o jogo, os adversários não gostaram e, no fim, todos saíram atrás dele", lembrou.Para os jogadores do Palmeiras, a presença de Rincón, que retornará à equipe santista neste clássico, não irá ser decisiva. A opinião de Paulo Turra resume bem o pensamento dos palmeirenses: "Um só jogador não vence uma partida."O volante Galeano afirmou que a boa qualidade do gramado da Vila Belmiro é um dos pontos favoráveis ao Palmeiras. "Com a possibilidade de tocar a bola, fica mais fácil amenizar a pressão da torcida local."Apesar da má colocação no Paulista - tem 12 pontos e ocupa o 12º lugar -, o técnico Celso Roth está satisfeito com o rendimento da equipe. Sem modéstia, ele destacou que as estatísticas mostram que o trabalho está no caminho certo e citou como exemplo as quatro vitórias nos cinco jogos em que está no comando do time. "Estamos com um aproveitamento de 80%", comemorou o treinador.Para a partida contra o Santos, Celso Roth não poderá contar com Fernando, suspenso. Em seu lugar, deverá escalar Claudecir. O Palmeiras terá a volta de Lopes, que foi reintegrado à equipe e já treinou como titular nesta sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.