Cesar Greco / Palmeiras e Alex Silva / Estadão
Cesar Greco / Palmeiras e Alex Silva / Estadão

Palmeiras pode colocar o pressionado São Paulo na zona de rebaixamento do Brasileirão

Equipe de Rogério Ceni chega para o clássico no Allianz Parque, nesta quarta-feira, com obrigação de vencer após cobrança da torcida por atitude

Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2021 | 05h00

O São Paulo entra bastante pressionado para enfrentar o Palmeiras no clássico pelo Brasileirão, nesta quarta-feira, às 20h30, no Allianz Parque. O vexame diante do Flamengo deu um choque de realidade no clube do Morumbi, que agora tem como único objetivo se livrar do rebaixamento à Série B. A derrota para o rival pode até colocar o time na zona de degola, dependendo dos resultados de Juventude e Bahia.

A equipe do técnico Rogério Ceni soma apenas 38 pontos. Primeiro integrante da zona de rebaixamento, o Juventude tem 36, mesma pontuação do Bahia, o primeiro fora. As duas equipes têm um jogo a menos do que o São Paulo. Nesta rodada, o time de Caxias do Sul recebe o Fluminense, também nesta quarta, no Alfredo Jaconi, enquanto os baianos visitam o Sport, quinta-feira, na Arena Pernambuco. 

Para piorar, o São Paulo abriu espaço para que integrantes da principal torcida organizada do clube pudessem cobrar o elenco. A reunião aconteceu na terça-feira à tarde, antes do último treino para o clássico. 

Os torcedores pediram para conversar com Miranda, Reinaldo, Luciano, Volpi e Bruno Alves, além do técnico Rogério Ceni e do coordenador de futebol, Muricy Ramalho. Volpi e o treinador não participaram da reunião que durou cerca de 90 minutos. O presidente Julio Casares também não estava presente por causa de compromissos no Morumbi. 

A principal cobrança foi em relação ao comportamento do elenco. Eles pediram mais atitude aos jogadores nas últimas seis partidas do Brasileirão. Por enquanto, eles prometem apoiar o time neste momento complicado. Tudo isso, claro, pode mudar com uma derrota para o Palmeiras no clássico.

No domingo, após perder para o Flamengo por 4 a 0 no Morumbi, Rogério Ceni afirmou que o caminho para salvar o time do rebaixamento seria difícil. “Com tranquilidade não vai acontecer nada. Muito trabalho, sofrimento. Passando sufoco, mas vamos ter que de uma maneira ou outra fazer com que esse time vença”, afirmou o treinador. “Vamos ter de jogar um campeonato à parte, não era o que o torcedor queria, mas temos que enfrentar de cabeça erguida.”

E o treinador tem razão. O São Paulo terá pelo menos três confrontos diretos na briga pelo rebaixamento, entre eles contra o Juventude, dia 12 de dezembro, no Morumbi. A equipe tricolor ainda enfrenta Athletico-PR (casa), Grêmio (fora), Sport (c) e América-MG (f), na última rodada.

OUTRO MOMENTO

Se o São Paulo entra pressionado, o Palmeiras vive um momento positivo. Apesar de perder para o Fluminense no domingo, o time do técnico Abel Ferreira vinha de seis vitórias seguidas e ocupa o terceiro lugar, posição que não vai perder nesta rodada. 

Além disso, o foco principal não é o Brasileirão, em que o Atlético-MG está próximo de confirmar o título. O Palmeiras trabalha para enfrentar o Flamengo, em 27 de novembro, no Centenário, em Montevidéu, pela final da Libertadores. O clássico é mais um jogo de preparação, mas existe o fator rivalidade. O Alviverde pode colocar o São Paulo na zona de rebaixamento.

Para este compromisso, Abel não terá Dudu, Felipe Melo e Deyverson, todos suspensos. Já Rogério Ceni perdeu Calleri, expulso contra o Flamengo, mas terá o importante retorno de Gabriel Sara.

FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS X SÃO PAULO

PALMEIRAS: Weverton; Marcos Rocha, Kuscevic, Luan e Victor Luis; Zé Rafael, Danilo, Raphael Veiga e Gustavo Scarpa; Wesley e Rony. Técnico: Abel Ferreira.

SÃO PAULO: Volpi; Bruno Alves, Miranda e Léo; Igor Vinicius, Rodrigo Nestor, Gabriel Sara, Igor Gomes e Reinaldo; Rigoni e Luciano.  Técnico: Rogério Ceni.

Juiz: Marcelo de Lima Henrique (RJ).

Horário: 20h30.

Local: Allianz Parque.

TV: Premiere.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.