Palmeiras pode ir à Fifa por Thiago Neves

Para se livrar de penalização, o meia precisaria pagar os R$ 2,4 milhões estipulados no pré-contrato

Juliano Costa, Jornal da Tarde

10 de janeiro de 2008 | 08h47

O meia Thiago Neves deveria se apresentar nesta quinta-feira (10) ao Palmeiras. O pré-contrato que o jogador assinou com o Verdão, em agosto, previa que o documento tivesse validade a partir de 10 de janeiro de 2008. Como ele já avisou que não deixará o Fluminense, o Palmeiras ameaça levar o caso à Fifa. Com contrato em vigência com dois clubes diferentes, Thiago Neves estaria infringindo o parágrafo 2 do artigo 5 do Estatuto da Fifa para Registro e Transferências de Atletas. Para isso, basta que o Palmeiras registre o contrato - com a assinatura de Thiago Neves - na Confederação Brasileira de Futebol (CBF). "Pouca gente sabe, mas o Thiago Neves assinou com a gente o chamado 'contrato CBF', nos moldes exigidos pela entidade. É por isso que estamos tão tranqüilos com relação a esse assunto", diz Luiz Roberto Martins Castro, advogado do Palmeiras. Antes de registrar o documento na CBF, porém, Castro informa que ainda fará uma notificação ao jogador. "Dependendo da resposta, a gente define a estratégia a ser adotada." Para se livrar de qualquer tipo de penalização, Thiago Neves precisaria pagar os R$ 2,4 milhões estipulados no pré-contrato como multa rescisória. O jogador também teria de devolver os R$ 400 mil que ganhara de adiantamento. Só assim o Palmeiras desistiria da briga. A expectativa da diretoria alviverde é que o Fluminense arque com o valor da multa. Mês passado, o Flu já havia pago R$ 2,3 milhões ao Paraná, que ganhara na Justiça o direito de manter Thiago Neves sob contrato até 2009. É isso mesmo: se não fosse o pagamento da multa, Thiago poderia ter hoje contrato em vigência com três clubes diferentes - Paraná (o formador), Fluminense (a quem estava emprestado até 31 de dezembro) e Palmeiras (com quem assinara pré-contrato em agosto passado).

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasThiago NevesFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.