JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Palmeiras pode levar R$ 5 milhões de renda e bater marca histórica

Clube deve superar a própria marca neste domingo

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2015 | 07h01

Palmeiras e Santos vão protagonizar uma histórica decisão de Campeonato Paulista neste domingo, pelo menos sob o ponto de vista financeiro. Nunca um jogo no estado de São Paulo teve uma renda bruta tão alta quanto a que deve ocorrer no Allianz Parque. É certo que pelo menos R$ 5 milhões serão arrecadados na decisão estadual.

A maior renda obtida em partidas no estado pertence ao próprio Palmeiras, que conseguiu R$ 4,9 milhões no confronto com o Sport, em jogo que marcou a inauguração oficial da arena, no ano passado. O recorde nacional é do Atlético-MG, que gerou R$ 14 milhões na decisão da Libertadores de 2013 contra o Olímpia.

O valor exato que o Palmeiras arrecadará é incerto, tendo em vista que uma boa parte dos ingressos será destinada para o Avanti, programa de sócio-torcedor, e meias-entradas. Se todos os ingressos fossem vendidos sem descontos, a renda bruta seria de R$ 7 milhões.

Até o começo da tarde de ontem haviam sido vendidos 21 mil ingressos, dos pouco mais de 35 mil colocados à disposição dos palmeirenses – são mais dois mil para os santistas. É praticamente certo que o estádio estará lotado, nem mesmo o salgado preço espantou o torcedor. O bilhete mais barato custará R$ 120 e o mais caro, R$ 300.

A diretoria do Santos ficou irritada com o valor de R$ 210 cobrado para o setor visitante e anunciou ontem que cobrará dos palmeirenses o mesmo preço para a partida de volta, que será realizada no outro domingo, na Vila Belmiro.

AVANTI NÃO PARA DE SUBIR

Boa fase e a nova casa facilitam bastante para o Palmeiras conseguir arrecadar tanto, seja nos jogos ou por meio do Avanti, que atingiu ontem a marca de 50 mil novos sócios só em 2015. Com esses números, é certo que vai passar o Flamengo, que obteve 59.021 em 2013, e se tornará o clube que mais arrecadou sócios em uma temporada.

No total, já são mais de 114 mil associados, posição que o deixa em segundo lugar no ranking brasileiro de sócios-torcedores e com enormes chances de ultrapassar o líder Internacional, que tem 130 mil.

"Quando assumimos o Palmeiras, tínhamos aproximadamente oito mil sócios-torcedores. Hoje, estamos próximos de atingir a primeira posição no Brasil. Nossa meta é atrair cada vez mais palmeirenses para dentro do programa e, em troca, oferecer um time que sempre dispute títulos, além de ampliar os benefícios e as ações", disse o presidente Paulo Nobre.

Os números chamam a atenção até mesmo no exterior. O Palmeiras é nono no ranking mundial, com chances de passar o Borussia Dortmund, com 120 mil. Recentemente, a Inter de Milão (cerca de 106 mil) e o Manchester United (cerca de 100 mil) foram ultrapassados.

A previsão da diretoria do Palmeiras é conseguir arrecadar só com o programa Avanti algo em torno de R$ 25 milhões no ano, valor de um patrocínio master.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.