Palmeiras poupa Candinho e cobra atletas

Preservar Candinho e evitar o rebaixamento a qualquer custo. Essas foram as decisões da diretoria, depois do desastre em Rio Preto, a derrota por 4 a 1 diante do América. Foi a sétima vez que o Palmeiras perdeu neste Campeonato Paulista. Os jogadores serão responsabilizados e cobrados. Terão de reagir contra o Marília, sábado, às 18h30, no Parque Antártica. E enfrentarão a revolta da torcida, que nesta sexta-feira já pichou os muros do estádio com palavrões. Os que não reagirem serão dispensados para o Brasileirão. O Palmeiras está em 12º lugar, a três pontos da zona de rebaixamento. E a 21 pontos do líder São Paulo.Irritado, o diretor de futebol Hugo Palaia diz que "não venham com essa história de pedir a saída do Candinho. Torcedores e imprensa irão perder tempo, se insistirem na história de afastá-lo. Ele é o único no futebol do Palmeiras que não pode ser questionado. Os jogadores terão de dar a resposta em campo contra o Marília. A cobrança será com eles."Tenso, Palaia não pára aí: "O Palmeiras é um clube que respeita os seus jogadores. Paga em dia, dá todas as condições. O mínimo que exige é garra, luta. Foi o que não vi contra o América. Não tiveram nem vontade." Antes do treinamento desta quinta da Seleção Brasileira, o goleiro Marcos alertava, preocupado: " Lógico que vi a goleada que o Palmeiras tomou. O Candinho não tem culpa de nada o que está acontecendo. Lógico que estou preocupado com o rebaixamento. Já passamos por isso e não queremos repetir a experiência. O time tem de ficar esperto."Candinho, nervoso, foi flagrado pelas câmeras da TV Globo antes de entrar no ônibus, após a goleada em Rio Preto. Torcedores pediam que colocasse jogadores melhores em campo. A resposta foi significativa: "Não tem. Não tem. Eu não posso fazer milagres", disse.Limites - Há um consenso entre Candinho e a diretoria de que o grupo é limitado - para não dizer fraco, muito fraco. Só que não podem fazer nada, porque não há condição para novas contratações. Porque se as inscrições não estivessem encerradas, os dirigentes buscariam outros atletas. "Eu fiz questão de acompanhar as palestras do Candinho antes dos jogos do Palmeiras. Ele faz o que pode também nos treinamentos. Chegou a hora da reação dos atletas", afirma Palaia.O gerente Ilton José da Costa tenta amenizar a situação. "Não vejo tanta desgraça como a imprensa está dizendo. O grupo vai reagir. Tenho certeza." Apesar da discussão de Candinho com o árbitro Edílson Pereira de Carvalho, o Palmeiras não irá protestar na FPF. "Nunca vi qualquer vantagem em um clube protestar contra um juiz. Pelo contrário. Não gostamos da arbitragem, mas não devemos vetar o Edílson", diz Ilton José. Como ex-árbitro, ele sabe que os árbitros são unidos, e agem em represália quando uma equipe pede a punição de um deles.O Palmeiras terá reforços contra o Marília: Corrêa, Lúcio e Gláuber, já livres de suspensão. Pedrinho fará um teste nesta sexta-feira para mostrar se está ou não recuperado de um pisão que levou no pé esquerdo de Sebá no clássico contra o Corinthians.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.