Palmeiras precisa da vitória para garantir tranquilidade

Três dias depois da eliminação na Libertadores, com um empate por 0 a 0 com o Nacional, no Uruguai, o Palmeiras volta a campo neste sábado. Dessa vez, o desafio é contra o Atlético-PR, a partir das 16h10, na Arena da Baixada, em Curitiba, pela sétima rodada do Brasileirão. E os palmeirenses precisam da vitória para garantir a tranquilidade no clube.

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

20 de junho de 2009 | 09h10

"Se mantivermos o espírito que tivemos contra o Cruzeiro, podemos conseguir a vitória, apaziguar tudo e ter mais tranquilidade", afirmou o zagueiro Marcão, lembrando do último jogo do Palmeiras no Brasileirão, quando venceu o time mineiro por 3 a 1, no Palestra Itália.

Apesar de afirmarem que as atenções estão todas voltadas para o jogo deste sábado, os jogadores do Palmeiras não conseguem esquecer o que aconteceu em Montevidéu. E o discurso é o mesmo já bastante repetido: o time jogou bem e foi injustiçado pelo resultado. Quase não há uma resposta em que esse tema não retorne.

"Mas temos que esquecer essa Libertadores, porque não volta mais", avisou Marcão, lembrando que o Palmeiras mostrou ter um time de "guerreiros". "Temos que assimilar o mais rápido possível essa desclassificação para não interferir no Brasileiro, pois temos que buscar novamente a vaga."

Ex-jogador do Atlético-PR entre 2004 e 2007, Marcão reconhece a força da torcida na Arena da Baixada. "É muito dificílimo jogar lá", afirmou o zagueiro do Palmeiras. Mas ele acredita que se houver uma boa marcação, é possível sair de Curitiba com um bom resultado. "Se tiver o espírito de outros jogos, nós vamos conseguir."

Enquanto isso, o meia Diego Souza não escondeu que ainda está muito "chateado" com a eliminação na Libertadores. "Sabíamos que tínhamos condições de passar pelo Nacional", disse o jogador, para quem, o time uruguaio "se acovardou" no jogo da última quarta-feira. "A gente está chateado, mas com a consciência do dever cumprido."

Diego Souza, inclusive, prometeu aos torcedores palmeirenses que o time "vai dar a volta por cima". Ele ressaltou que o fato de lamentar o resultado na Libertadores não significa que os jogadores estejam abatidos. "Nós saímos com dignidade de uma competição e estamos em terceiro lugar na outra", lembrou.

Como não concedeu entrevista coletiva após o trabalho leve realizado na tarde desta sexta-feira, em Curitiba, o técnico Vanderlei Luxemburgo não adiantou qual a equipe que vai escalar contra o Atlético-PR. A provável alteração é a entrada do volante Souza no lugar do zagueiro Danilo, que não pode atuar por questão contratual, visto que está emprestado ao Palmeiras pelo clube paranaense.

Marcão disse que não haverá problemas se o técnico optar por colocar apenas dois zagueiros. Segundo ele, antes da partida contra o Cruzeiro, os jogadores já tinham treinado esse esquema. "A única mudança é que os alas precisarão segurar um pouco mais, mas, de outro lado, ganhamos no meio-de-campo", afirmou o jogador, que formará dupla de zaga com Maurício Ramos.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCampeonato BrasileiroPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.