Nelson Perez/Fluminense FC
Nelson Perez/Fluminense FC

Palmeiras prepara nova proposta por Richarlison e quer oferecer R$ 43 milhões

Clube não desiste do jogador e novos contatos com o Fluminense vão se intensificar nos próximos dias

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

10 de junho de 2017 | 19h49

O Palmeiras não desistiu de contar com o atacante Richarlison, do Fluminense. Após o presidente do clube carioca, Pedro Abad, decretar na última sexta-feira que não haveria mais conversas entre as diretorias pelo jogador, a equipe paulista prepara uma nova proposta. O valor deve ser de 12 milhões de euros, cerca de R$ 43,9 milhões pelo atleta de 20 anos. Existe a possibilidade de o montante ser alcançado com a troca de atletas.

Os novos contatos entre os clubes vão se intensificar nos próximos dias. Fontes ligadas ao Palmeiras consideram como provável o desfecho da negociação. O clube alviverde quer contar com o atacante para repor as saídas de Alecsandro, ao Coritiba, e Rafael Marques, ao Cruzeiro, além de acreditar no potencial de revenda de Richarlison pela pouca idade.

O técnico Cuca, do Palmeiras, comentou sobre a possível negociação neste sábado, pouco após a vitória do time por 3 a 1 sobre o Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro. O treinador lamentou a negativa dos cariocas e sinalizou que para se chegar ao valor, a proposta pode incluir jogadores na troca. "Sei que os clubes se dão bem. Tem uma boa relação. Então, se conseguir se chegar a um denominador comum, acertar o que bom para um, bom para outro, fica todo mundo muito bem", comentou.

Caso as conversas avancem e Richarlison feche com o Palmeiras, o jogador se tornará a mais cara contratação da história do clube. A marca pertence atualmente ao colombiano Miguel Borja, trazido em fevereiro por R$ 35 milhões do Atlético Nacional, da Colômbia. O time paulista fez outra proposta anterior pelo atacante do Fluminense, que por causa desse interesse, pediu para não jogar neste sábado.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFluminenseFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.