Palmeiras quase desiste de Marcinho

A contratação de Marcinho, volante do Palmeiras, está virando uma grande dor de cabeça para o Palmeiras. Numa reunião sexta-feira à tarde, no Parque Antártica, entre representantes do Figueirense, da Matonense, da CSR e do próprio Palmeiras, Mustafá Contursi ficou furioso com o impasse e por muito pouco não desiste do negócio. A situação de Marcinho é complicada. O Figueirense não possui nenhum percentual sobre o atleta mas tem o vínculo até 31 de dezembro. Para liberar Marcinho, o presidente Paulo Sérgio Gallotte Prisco Paraíso exige U$ 50 mil. Os donos de fato dos ?direitos federativos? são quatro. A Matonense têm 50%. Os outros 50% são de Rivaldo, do Milan, do zagueiro Cléber, que joga no Figueirense; e de José Carlos Lages, um dos sócios da CSR. Para resolver o impasse e ter Marcinho imediatamente, Mustafá Contursi ofereceu como compensação ao Figueirense, R$ 100 mil: R$ 70 mil em dinheiro, além de perdoar uma dívida de R$ 30 mil do clube catarinense, pelo empréstimo de Thiago Gentil, em 2002. Prisco não aceitou e provocou uma revolta geral. O preço total de Marcinho é de U$ 200 mil. O Palmeiras já concordou em pagar esse valor. Os donos do ?passe? já aceitaram a proposta e ficaram de dividir o ?bolo?, mas o negócio não se completa porque o presidente do Figueirense, que só tem o vínculo do jogador, não abre mão dos U$ 50 mil. Para evitar que o Palmeiras desista do negócio, José Carlos Lages, da CSR, sugeriu que cada um dos proprietários do ?passe? de Marcinho abrisse mão de U$ 5 mil para o Figueirense. Alguns concordaram, outros não. O presidente das Matonense, Antonio Galli, foi contra. "Eu não vou dar um tostão para o Figueirense, que não investiu nada no jogador". Como o impasse foi inevitável, alguém sugeriu que as partes fizessem um recesso. Amanhã, fora do Parque Antártica, haverá um novo encontro. O desafio será convencer o Figueirense a aceitar uma compensação bem menor. De sua parte, o presidente do Palmeiras tem dois caminhos, caso o Figueirense insista na mesma posição. Ou simplesmente desiste do negócio, ou compra os 50% do passe de Marcinho que são da Matonense e espera até janeiro para ter o jogador. Além de Marcinho, o Palmeiras quer o meia Danilo, também do Figueirense. Danilo, revelado pelo Corinthians, ganhou o passe em dezembro, quando seu ex-clube simplesmente não quis renovar o seu contrato. Nesse caso, a negociação do Palmeiras será com o próprio atleta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.