Palmeiras quebra 'acordo' e reduz ingressos de rival na semifinal

O Corinthians terá direito a 5% dos ingressos, o equivalente a 2.400 entradas

AE, Agência Estado

25 de abril de 2011 | 16h04

A diretoria do Palmeiras resolveu quebrar o acordo de cavalheiros que tinha com o Corinthians e reduziu nesta segunda-feira o número de ingressos da torcida rival para a segunda semifinal do Paulistão, neste domingo, no Estádio do Pacaembu.

Mandante do jogo, por ter melhor campanha na fase inicial, o Palmeiras definiu que ficará com uma carga de 95% dos ingressos, ou 35.150 bilhetes. O Corinthians receberá 5% do total, equivalente a 2.400 entradas. Os ingressos devem começar a ser vendidos nesta quarta-feira.

Com a decisão, o Palmeiras pôs fim a um acordo que teve início em 2010. Os dois clubes haviam decidido mandar os clássicos no Pacaembu para evitar os jogos no interior do Estado e no Morumbi, do rival político São Paulo. Dessa forma, as diretorias acertaram liberar uma carga maior de ingressos para o visitante, com uma proporção equivalente a 30% dos lugares do estádio.

Desde que o acordo de cavalheiros foi firmado, os dois times disputaram quatro partidas no Pacaembu, sendo duas pelo Paulistão (uma em 2010 e outra neste ano) e duas no Brasileirão do ano passado.

A nova proporção, de 95% e 5%, foi definida em reunião na Federação Paulista de Futebol nesta segunda-feira, com as presenças dos dirigentes Roberto Frizzo, vice-presidente do Palmeiras, e Andrés Sanchez, presidente do Corinthians. 

A semifinal entre os dois times será disputada neste domingo às 16 horas. São Paulo e Santos farão o outro confronto no sábado, no mesmo horário, no Morumbi. No mesmo dia, Ponte Preta e São Caetano se enfrentarão em Campinas, às 18h30, em uma das semifinais do Torneio do Interior. A outra partida envolverá Oeste e Mirassol, na sexta, às 21 horas, em Itápolis.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasCorinthiansingressos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.