Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Palmeiras quebra tabu, bate São Paulo e abre distância na liderança

Time alviverde aproveita falhas do rival, vence por 2 a 0, encerra jejum de 16 anos sem vitórias no Morumbi e dispara na ponta

João Prata, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2018 | 19h53

O Palmeiras esperou  16 anos por uma vitória sobre o São Paulo no Morumbi. E ela veio na noite deste sábado, de forma maiúscula. Os 2 a 0 na casa do adversário fizeram o time alviverde abrir três pontos de vantagem na liderança do Campeonato Brasileiro e deixaram o time adversário em situação complicada.

O São Paulo começou a partida empurrado por pouco mais de 50 mil torcedores. No entanto, esse apoio se transformou em cobrança já no intervalo, quando os jogadores deixaram o campo sob vaias, além do placar negativo. Com a derrota, a equipe caiu para a quarta colocação, com 52 pontos. O Palmeiras lidera com 56 e três de vantagem para o segundo colocado. 

O time alviverde agora tem a semana livre para treinar e se preparar para outro jogo importante pela ponta da tabela. No domingo, dia 14, receberá o Grêmio. O São Paulo, no mesmo dia, visitará o Internacional em busca da reabilitação.

O triunfo palmeirense encerrou o jejum que vinha desde 20 de março de 2002 quando, ainda pelo Rio-São Paulo, a equipe visitante venceu por 4 a 2. De lá para cá foram mais 24 jogos no Morumbi, com 15 vitórias do São Paulo e nove empates.

A vitória também quebrou a série invicta do time tricolor em seu estádio. Na atual temporada eram 9 vitórias e quatro empates até então. E o principal motivo para colocar fim a todos esses números veio mais por parte de erros do São Paulo do que por méritos do time palmeirense.

Os dois gols que desestruturam os anfitriões na etapa inicial vieram de vacilos na marcação. Até então o clássico vinha  equilibrado, com marcação dura e forte no meio-campo. O primeiro lance de perigo veio por causa de uma confusão. Sidão foi sair jogando, mas Deyverson apareceu em sua frente. O goleiro deixou escapar a bola. O atacante chutou, mas Sidão defendeu com as mãos fora da área. No rebote a zaga do São Paulo afastou. O lance seguiu sem intromissão da arbitragem.

A partida seguia brigada e equilibrada. Rodrigo Caio segurou Deyverson e recebeu amarelo. Do outro lado, Gustavo Gómez subiu com os cotovelos em disputa com Bruno Peres e Felipe Melo entrou mais duro em Nenê. Ambos foram advertidos.

O Palmeiras saiu na frente em lance de bola parada. Aos 33, Dudu cobrou escanteio pela direita e Gustavo Gómez apareceu livre na área para mandar de cabeça para as redes. O São Paulo tentou pressionar, mas levou o segundo logo em seguida, em rápido contra-ataque.

Weverton tirou de soco, Mayke arrancou e tocou na direita para Dudu. O atacante chutou na trave. Na sobra, Mayke mandou novamente na área e Deyverson, livre na área, ampliou de cabeça.

O técnico Diego Aguirre tentou chacoalhar o time no segundo tempo com as entradas de Everton na vaga de Rodrigo Caio e Carneiro no lugar de Nenê. Mas a equipe seguiu abalada emocionalmente. Demonstrava nervosismo ao chegar ao ataque e errava muitos passes.

Os torcedores também não colaboravam e a cada bola perdida vinha o uníssono “ah”. O Palmeiras passou a fazer seu papel. O time se encolheu um pouco e começou a jogar no erro do adversário.

O jogo esfriou. Felipão tentou ainda dar mais movimentação ao ataque com a entrada de Willian na vaga de Hyoran, o palmeirense com atuação mais discreta. Willian assustou em chute da entrada da área.

O São Paulo foi assustar mesmo somente aos 38 em chute de Tréllez, que Weverton caiu no canto direito para fazer a defesa. E o placar seguiu sem movimentação. Ao apito final do árbitro, mais vaias por parte dos torcedores do São Paulo.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 0 X 2 PALMEIRAS

SÃO PAULO - Sidão; Rodrigo Caio (Everton), Bruno Alves, Anderson Martins e Reinaldo; Jucilei, Hudson, Nenê (Carneiro), Bruno Peres e Rojas; Diego Souza (Tréllez). Técnico: Diego Aguirre.

PALMEIRAS - Weverton; Marcos Rocha (Mayke), Luan, Gustavo Gómez e Victor Luis; Felipe Melo, Lucas Lima (Bruno Henrique) e Moisés; Dudu, Deyverson e Hyoran (Willian). Técnico: Felipão.

GOLS - Gustavo Gómez, aos 33, e Deyverson, aos 36 do 1º Tempo

ÁRBITRO: Wilton Pereira Sampaio (GO).

CARTÕES AMARELOS - Rodrigo Caio e Rojas (São Paulo); Victor Luis, Felipe Melo e Dudu (Palmeiras).

PÚBLICO -  56.694 pagantes. 

RENDA - R$ 2.959.044,00

LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.