Palmeiras quer arrancada para título

Uma vitória sobre o São Caetano, nesta quarta-feira, às 19h30, no Palestra Itália, para marcar o início da arrancada do Palmeiras rumo ao título brasileiro. Esta é a intenção do técnico Emerson Leão. "O equilíbrio no campeonato é muito grande. O diferencial será o grupo de jogadores. E neste ponto o Palmeiras é muito forte. Só não usei três jogadores. Tivemos muitos problemas e a equipe não perdeu o nível", disse o treinador, que ainda não utilizou o goleiro Marcos, o lateral André Cunha e o zagueiro Gláuber. Leão, que segue invicto - nove jogos, cinco vitórias e quatro empates -, confia que vai tirar a diferença para os líderes no confronto direto do returno. "São 21 rodadas. Tudo pode acontecer. Estamos a sete pontos do líder. Precisamos manter regularidade, pois os primeiros vão se enfrentar e os que estão em baixo na tabela também vão tirar pontos deles." Por isso a conquista dos três pontos diante do São Caetano é uma obrigação. "Não vejo outro resultado admissível", disse o meia Marcinho, artilheiro do Brasileiro, com 13 gols - ao lado do cruzeirense Fred -, que vai enfrentar sua ex-equipe. Leão não poderá contar com o meia Juninho, suspenso. Para seu lugar entra Pedrinho. Correia volta à lateral-direita em lugar de Baiano. Marcinho Guerreiro deverá fazer uma marcação especial sobre Edílson, assim como fez com sucesso sobre Felipe, do Fluminense, no domingo. "É um veterano inteligente, que merece atenção", afirmou Leão. Sérgio segue no gol. "Não posso escalar o Marcos, enquanto sua situação não é definida", revelou Leão, referindo-se à possível saída do goleiro. O diretor de Futebol, Salvador Hugo Palaia, disse que aguarda uma nova proposta de um grupo de empresários. A oferta chegou a US$ 3 milhões, mas o dirigente só aceita conversar a partir de US$ 5 milhões. Palaia afirmou que só vai negociar com um representante de clube. "Não negocio com empresários. E por mim o Marcos não sai do Palmeiras." A novela deve seguir até o fim do mês, quando fecha o mercado europeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.