Palmeiras quer chegar à liderança em teste para Jorginho

O Palmeiras pode conseguir neste sábado com o interino Jorginho o que o antigo técnico Vanderlei Luxemburgo não alcançou neste Brasileirão: a liderança. Se vencer o Santo André, a partir das 18h30, no Palestra Itália, o time palmeirense subirá para a primeira colocação do campeonato, com 25 pontos, ultrapassando Atlético-MG e Internacional, que só jogam no domingo.

DANIEL AKSTEIN BATISTA, Agencia Estado

18 de julho de 2009 | 08h13

A vitória neste sábado também pode ser decisiva para a efetivação de Jorginho. O diretor de futebol do Palmeiras, Savério Orlandi, afirmou na última quinta-feira que a definição sobre a permanência do interino sairia neste fim de semana. O presidente Luiz Gonzaga Belluzzo, no entanto, não coloca prazo e deixa entender que a promoção acontecerá naturalmente.

Até agora, Jorginho comandou o Palmeiras em quatro jogos, conseguindo um empate no clássico com o Santos e três vitórias, diante de Avaí, Náutico e Flamengo. Apesar da boa campanha, ele mantém a tranquilidade sobre a possibilidade de efetivação no cargo, garantindo que se sente como um funcionário do clube, disposto a cumprir aquilo que a diretoria mandar.

Nesta sexta-feira, porém, Jorginho inovou. Depois de conversar bastante com o grupo no vestiário, ele comandou um treino nada comum. Distribuiu os coletes vermelhos (que indicam quem será titular) para 12 jogadores, sem contar o goleiro Marcos. Em meia hora, posicionou os atletas em campo, conversou e, sem a bola rolar, recolheu os coletes. Aí, aqueles que atuaram na vitória sobre o Flamengo, por 2 a 1, na última quarta-feira, voltaram para o vestiário. O restante participou de um rachão.

Com tantos jogadores com colete vermelho em campo, Jorginho mantém a dúvida sobre os 11 titulares para o jogo deste sábado. Os atacantes Obina e Willians estão com condições de jogo (não atuaram no Maracanã), mas apenas o primeiro deve jogar. O paraguaio Ortigoza deve ser mantido no ataque, mas Deyvid Sacconi volta para a reserva. "Vou conversar com o árbitro para ver se posso escalar 13 jogadores", brincou o interino palmeirense.

Sobre o estranho treinamento, ele explicou que preferiu dar descanso aos atletas que atuaram no Rio e só os posicionou para alertar sobre o ponto forte do adversário: as bolas alçadas por Marcelinho Carioca. "Mostrei como o Santo André faz e como nos vamos nos defender", conto Jorginho, que já conseguiu implantar seu estilo de jogo no time. Neste sábado, ele tem mais uma prova.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCampeonato BrasileiroPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.