Palmeiras quer conter ímpeto do Atlético-PR para seguir

Segurar o ímpeto do Atlético Paranaense é o caminho apontado pelo Palmeiras para garantir nesta quarta-feira, às 21h50, no estádio Durival de Britto, em Curitiba, a classificação para as quartas de final da Copa do Brasil. Diante de um adversário que ganhou os cinco últimos jogos dentro de casa, a equipe precisa de pelo menos um empate ou uma derrota por diferença mínima, desde que marque um gol.

CIRO CAMPOS, Agência Estado

28 de agosto de 2013 | 07h32

O técnico Gilson Kleina detalhou nesta terça, após o último treino do time, como pretende enfraquecer o Atlético. Com a vantagem de ter feito 1 a 0 no jogo de ida, ele quer tirar a velocidade dos atacantes rubro-negros Ederson e Delatorre, além de esfriar o ânimo da torcida, apontada pelo treinador como grande responsável pela força da equipe.

"Ano passado eles estavam na Série B e jogando longe de Curitiba não iam bem. Quando voltaram para a cidade, ganharam força e reagiram. Será necessário termos estrutura emocional para aguentar isso", explicou Gilson Kleina.

Além de ressaltar características como ser frio, calculista e corajoso, o técnico mantém o Palmeiras com três volantes e apenas Mendieta na armação. O paraguaio continua na vaga do chileno Valdivia, que não se recuperou do edema na coxa direta. Nesta terça, o time fez apenas um trabalho em campo reduzido e recebeu os ajustes finais para a partida em um treino tático secreto na última segunda. Gilson Kleina contou ter organizado duas estratégias diferentes, mas não quis revelar detalhes.

O técnico espera que o Palmeiras sofra marcação logo na saída de bola a por isso deve mandar a campo uma equipe cautelosa, com o trio de volantes Márcio Araújo, Wesley e Charles mais presos à marcação. O rápido Leandro é a esperança dos contra-ataques. "Ele é jovem, sempre se entrega muito em campo e além da velocidade, espero muita inteligência dele para esse jogo", disse.

A postura mais conservadora também pode ser observada no banco de reservas, onde o time vai ter mais opções de volantes (Wendel e o uruguaio Eguren), do que de atacantes de origem (apenas Caio).

INDEFINIÇÃO - No Atlético, a grande dúvida deixada pelo técnico Vágner Mancini é no ataque. O artilheiro do Campeonato Brasileiro, Ederson, com 10 gols, deve ficar no banco de reservas. Delatorre e Marcelo, muito elogiado pelo elenco palmeirense, são os prováveis titulares. Existe ainda a possibilidade do time ter em campo os três atacantes e o volante Zezinho ser sacado.

O veterano meia Paulo Baier, de 38 anos, ex-Palmeiras, está confirmado no time após não ter atuado na semana passada, no Pacaembu, desgastado pela sequência de jogos. Com ele, a equipe paranaense ganha qualidade nas jogadas de bola parada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.