Palmeiras reage e arranca empate

O Palmeiras brincou com a sorte no começo da noite deste domingo, no estádio Barradão, em Salvador, local que não lhe traz agradáveis recordações recentes. No primeiro tempo, enroscou-se em erros grotescos e levou dois gols do Vitória. Na segunda etapa, usou literalmente a cabeça, arrancou empate suado por 2 a 2, foi a 47 pontos, assim como o Santos, mas perdeu a liderança do Brasileiro nos critérios de desempate.A trapalhada palmeirense começou aos 4 minutos da etapa inicial. Na primeira jogada de ataque, os baianos ficaram em vantagem: Pedro cobrou falta, na lateral direita do campo de ataque, e a defesa do time paulista assistiu à subida livre de Cametá, que completou para o gol. O zagueiro comemorou com entusiasmo, como se afastasse o azar, porque no meio da semana havia sido alvo da fúria da torcida. No desembarque delegação do Vitória, no aeroporto de Salvador, depois da goleada de 4 a 1 sofrida para o Paraná, Cametá foi atingido por ovo atirado por fãs irados.O jogadores do Vitória empolgaram-se, atenderam ao pedido do estreante técnico Hélio dos Anjos e pressionaram o Palmeiras, time que empurraram para a Série B, dois anos atrás, no mesmo local. O resultado foi uma seqüência de escanteios, que deixaram o goleiro Sérgio e companheiros alarmados.A insistência dos anfitriões deu certo aos 39 minutos, em nova jogada de falta, só que do lado esquerdo. Pedro levantou, ninguém cortou, Sérgio rebateu mal e Allan Dellon, que estava de passagem pela área, teve o esforço apenas de empurrar para fazer o segundo gol.O Palmeiras esboçou reação aos 41 minutos, quando Osmar chutou nos pés do goleiro Juninho, na entrada da área. A jogada animou o ex-líder, que percebeu falhas no rival e tratou de explorá-las na segunda fase. O técnico Estevam Soares tratou de fazer sua parte, ao trocar Pedrinho por Diego Souza, que deu mais velocidade na armação de jogadas.O Palmeiras, então, abandonou o complexo de Série B e jogou quase como time que pretende brigar pelo título. Firme na marcação, avançou o meio-campo e encurralou o Vitória. Só faltou chutar mais a gol, embora tenha obrigado Juninho a pelo menos duas defesas delicadas.A equipe da casa sentiu que a situação se complicava, apelou para o velho recurso dos contra-ataques, mas definitivamente percebeu que os orixás não a olhavam com simpatia e provou do mesmo veneno que usou no primeiro tempo. Aos 38 minutos, Osmar cobrou falta, Thiago Gentil cabeceou atropelando a zaga e diminuiu a diferença. Depois, aos 46 minutos, coube a Correia levantar, de novo em falta, para Osmar, de cabeça, selar o empate - foi seu 5º gol em quatro jogos pelo Palmeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.