Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras recebe Peñarol para tentar evitar roteiro de 2016

No último ano, campanha na Libertadores degringolou a partir de derrota para equipe uruguaia

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

12 de abril de 2017 | 07h00

Terceira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores, jogo no Allianz Parque contra adversário uruguaio depois de uma vitória e um empate nas partidas anteriores. A situação é idêntica à de 2016 e, por isso, o Palmeiras não quer se arriscar nesta quarta-feira, às 21h45, a correr contra o Peñarol o mesmo risco vivido no ano passado.

A eliminação precoce na fase de grupos da Libertadores de 2016 repercute no Palmeiras como uma lição. Aquela campanha começou a se tornar decepção na derrota para o Nacional, do Uruguai, por 2 a 1, em casa depois de um empate na estreia como visitante (River Plate, do Uruguai) de uma vitória como mandante (Rosário Central).

O revés diante do time uruguaio no Allianz Parque motivou na ocasião a demissão do técnico Marcelo Oliveira e a vinda de Cuca, responsável pela conquista do Campeonato Brasileiro. O sucessor dele, Eduardo Baptista, é quem tenta evitar o sufoco contra o Peñarol.

"Pela história, se espera um jogo difícil e truncado. No último jogo (Jorge Wilstermann) sofremos até o último segundo para fazer o gol. Que dirá contra um time com essa história na competição", disse ontem o volante Felipe Melo, ao exaltar os cinco títulos do Peñarol na Libertadores.

O jogador é um personagem da partida por se tratar do primeiro encontro dele contra adversários do Uruguai. Ao ser apresentado, em janeiro, o reforço do Palmeiras exemplificou que, pela vontade de se entregar em campo, seria capaz de dar tapa em jogadores uruguaios caso fosse preciso.

A repercussão negativa da declaração fez Felipe Melo adotar tom bem mais ameno ontem, quando concedeu entrevista coletiva pela segunda vez no ano. "Nunca dei tapa na cara de ninguém, não vou dar tapa na cara de uruguaio. Quis dizer que tem de entrar duro, se precisar", disse, ao pedir desculpas.

A formação titular da equipe deve ser parecida à usada na sexta, contra o Novorizontino, mas com a entrada de Jean. O lateral-direito se recuperou de fissura no pé direito e treinou com a equipe nos últimos dias. Os últimos três trabalhos do Palmeiras foram fechados.

A comissão técnica analisou partidas recentes do Peñarol, com direito ao envio de representantes ao Uruguai. As principais preocupações são com o meia Cristian Rodriguez, ex-seleção uruguaia, e o atacante Affonso, de 1,92m.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS X PEÑAROL

PALMEIRAS: Fernando Prass;  Jean (Fabiano), Mina, Edu Dracena e Zé Roberto; Felipe Melo; Willian, Tchê Tchê, Guerra e Dudu; Borja. Técnico: Eduardo Baptista.

PEÑAROL:  Guruceaga; Petryk, Quintana, Arias e Hernández; Novick, Pereira, Nandez e Cristian Rodríguez; Affonso e Arias. Técnico: Leonardo Ramos.

Juiz: Roddy Zambrano (Equador)

Horário: 21h45  

Na TV: Globo e SporTV 

Local: Allianz Parque 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.