Palmeiras repudia agressão de Serdan a técnico do sub-14

Nota oficial reforça permanência do filho do dirigente da torcida no time, independente da crise do pai

02 de outubro de 2007 | 14h09

A diretoria do Palmeiras, através do vice-presidente de futebol, Gilberto Cipullo, repudiou nesta terça-feira a atitude de Paulo Serdan, presidente de honra da Torcida Mancha Alviverde, que agrediu no último sábado, 29, o técnico Marcio Vicente Rodrigues, da equipe sub-14 do clube.   Serdan teria se irritado ao ver o filho (o lateral-esquerdo Caíque) ser substituído em partida contra o Santos, no CT Rei Pelé. Ele esperou o final do jogo e desferiu socos e chutes no treinaador, que sofreu lesões e fraturas nas costelas e teve de ser levado ao hospital.   Após agredir o treinador, o presidente da Mancha pegou o seu filho e deixou o local do jogo.  Apesar do ocorrido, a diretoria do Palmeiras diz que vai manter o filho de Serdan no clube, negando que pudesse ter alguma represália ao garoto. "Deixo claro que continuaremos investindo no atleta e que o ato covarde de agressão por parte de seu pai em nada influenciará na carreira do jogador enquanto este estiver defendendo as cores de nosso time", disse a nota de Cipullo.   Ainda não há previsão de quando o técnico Vicente Rodrigues retornará ao trabalho e nem se ele ou o Palmeiras vão processar Serdan.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasMancha AlviverdePaulo Serdan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.