Cesar Greco/Palmeiras
Cesar Greco/Palmeiras

Palmeiras e São Paulo tiram lições de clássicos passados para avançar na Copa do Brasil

Time de Abel Ferreira precisa, mais uma vez, reverter em casa a vantagem da equipe de Ceni, que joga pelo empate, como aconteceu no Paulistão

Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2022 | 05h00

Rivais que se conhecem bem, visto que se encontram com frequência nesta temporada, Palmeiras e São Paulo decidem nesta quinta-feira, às 20h, no Allianz Parque qual dos dois irá às quartas de final da Copa do Brasil. Os times de Abel Ferreira e Rogério Ceni pensam em tirar lições de jogos recentes para ter sucesso no torneio.

O Choque-Rei desta noite será o sexto em 2022. O Palmeiras leva vantagem, já que venceu três jogos e o São Paulo ganhou dois. Para conquistar o Paulistão, conseguiu uma reação histórica. Aplicou 4 a 0 no rival tricolor depois de ter perdido por 3 a 1 no Morumbi. 

É nessa reviravolta e no apoio da torcida, que mais uma vez lotará o Allianz Parque, em que se guia o Palmeiras, que precisa de um triunfo por dois gols de diferença para avançar. O São Paulo joga pelo empate. Uma vitória por vantagem mínima palmeirense, por qualquer placar, leva a definição da vaga aos pênaltis.

O Palmeiras sabe que tem de pressionar o São Paulo desde o início, assim como fizera na finalíssima do Paulistão. Além disso, tem como lição os erros que cometeu diante do rival ao não entender as variações táticas de Ceni, sobretudo nas partidas no Morumbi. Na arena palmeirense, a ordem é encurralar o adversário, sobretudo no começo do jogo.

Desde fevereiro, o Palmeiras disputou seis confrontos eliminatórios e venceu todos: Athletico-PR (final da Recopa), Ituano, Red Bull Bragantino e São Paulo (quartas de final, semi e final do Campeonato Paulista), Juazeirense-BA (terceira fase da Copa do Brasil) e Cerro Porteño-PAR (oitavas de final da Libertadores).

"É um jogo de extrema importância, não só para a competição como também para a temporada. Além de ser uma eliminatória de Copa do Brasil, é um clássico e trabalhamos muito para estarmos sempre vencendo e nos fortalecendo cada vez mais", disse o jovem Wesley, que pode aparecer entre os titulares.

Sem um camisa 9, já que Rony, o titular, e Navarro, o reserva, se recuperam de lesões musculares na coxa, Abel terá de improvisar. A tendência era de que Gabriel Veron fosse escalado, mas ele foi multado após aparecer em uma balada na antevéspera da partida e é provável que comece no banco.

ENGASGADO

Cabe ao São Paulo ter atenção durante todo o clássico, sobretudo na bola parada. Quando encontrou o Palmeiras pelo Brasileirão, há quase um mês, levou uma virada com dois gols sofridos de zagueiros nos acréscimos. A missão, também, é parar as principais peças do atual campeão continental, o que não fez na decisão do Paulistão, jogo em que Danilo, Veiga e Dudu brilharam.

"Tivemos uma experiência negativa na última vez lá, acho que a gente pode ter tirado lições, aprendido. Um jogo que tem uma conotação muito maior que passar de fase. Acho que é tentar recuperar algo que ficou para trás na final do Paulistão”, avaliou Ceni, engasgado com a goleada por 4 a 0 sofrida no Estadual.

O treinador terá à sua disposição Diego Costa, Léo, Gabriel Neves, Rodrigo Nestor e Luciano, baixas por suspensão no último jogo contra o Atlético-MG. Nikão, recuperado de lesão no tornozelo, vive a expectativa de voltar a jogar após dois meses. Arboleda, Caio, Andrés Colorado, Alisson, Gabriel Sara, Luan e Alisson são os desfalques. André Anderson é dúvida.

PALMEIRAS X SÃO PAULO

PALMEIRAS: Weverton; Marcos Rocha, Gustavo Gómez, Murilo e Piquerez; Danilo, Zé Rafael e Raphael Veiga; Scarpa, Dudu e Breno Lopes (Gabriel Veron). Técnico: Abel Ferreira.

SÃO PAULO:  Jandrei, Diego Costa, Miranda e Léo; Rafinha, Gabriel Neves, Igor Gomes, Rodrigo Nestor, Patrick e Welington; Calleri. Técnico: Rogério Ceni.

Juiz: Leandro Pedro Vuaden (RS)

Horário: 20h

Local: Allianz Parque

TV: Amazon Prime Vídeo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.