Palmeiras se esforça para segurar Love

Maior até do que o empenho para manter o técnico Jair Picerni em 2004 foi o esforço do Palmeiras para segurar uma de suas principais estrelas, Vágner Love. Bastaram as primeiras sondagens de empresários ligados a clubes europeus para que o clube se mobilizasse e acertasse a renovação do contrato do atacante até 2006.Ontem, o diretor de Futebol Mario Gianini garantiu a permanência do artilheiro da Série B, com 19 gols. "Ele não está à venda. Se nossa intenção fosse ganhar dinheiro em cima dele, não teríamos lhe dado uma casa como parte do pagamento das luvas."O dirigente deixou claro que deseja acabar com as especulações sobre o futuro de Vágner. "Muita gente quer saber quanto o Palmeiras deseja para liberá-lo. Até o momento, não recebi proposta oficial. Não acho que esse seja o melhor momento para que ele deixe o Brasil. Tem apenas 19 anos e, mesmo sendo craque, poderia encontrar dificuldades longe do País."O empresário do atacante, Cláudio Guadagno, concorda. E acredita que o jogador não irá perder dinheiro permanecendo no Palmeiras. "Tudo na vida tem que ser feito com coragem. E eu estou apostando em um menino em quem confio muito. Se antes era uma promessa, hoje ele virou realidade. Ainda tem muita coisa a acrescentar para o futebol brasileiro."Guadagno também destaca o amadurecimento de Vágner nos últimos meses. "Hoje, ele aprendeu a ouvir. E tomou sozinho a decisão de falar menos para não prejudicar sua imagem. Fora isso, tem total autonomia para tomar as decisões que achar convenientes."Por outro lado, Magrão e Lúcio dão a entender que podem respirar novos ares. Magrão, que tem contrato até a metade de 2005, garante que Juan Figer, empresário que detém 50% de seus direitos federativos (os 50% restantes pertencem ao Palmeiras), está na Europa tentando viabilizar sua transferência. Mas nega que o clube interessado em seu futebol seja a Udinese.O volante afirma: "Quase fui jogar lá (em Údine) no meio do ano, mas agora, até onde eu sei, o clube é outro. Não quero dizer que estou indo embora do Palmeiras, mas a possibilidade de que isso aconteça existe. Agora, se o Mustafá quiser fazer um novo acerto, a gente senta e conversa." Segundo ele, os contatos realizados por Figer serão repassados ao presidente Mustafá Contursi. "A família não vai pesar na decisão. Fiquei aqui porque queria subir com o Palmeiras."A situação de Lúcio está complicada, porque Oliveira Junior, dono do Ituano e seu empresário, quer negociar os direitos federativos do lateral esquerdo com o Palmeiras. Mas não há valor determinado em contrato para a negociação ser efetivada. "Quando emprestei o Elson e o Lúcio ao Palmeiras, não chegamos a um valor de venda. Agora teremos que discuti-lo", diz Oliveira. "Só quero ter certeza que entrarei em férias empregado. Fui campeão e estou muito valorizado. Minha parte eu fiz", afirma Lúcio. Hoje, o técnico Jair Picerni deve acertar a renovação do contrato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.