Palmeiras se espelha em São Paulo de 2013 para evitar a queda

Rivais têm em comum a troca de técnicos na virada de turno do Brasileirão para tentar reagir contra o risco de rebaixamento

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

06 Setembro 2014 | 10h00

O Palmeiras vivencia na virada de turno do Campeonato Brasileiro o mesmo problema que o rival, São Paulo, passou em 2013. As duas equipes trocaram de técnico na mesma altura da competição, no mês de setembro, e com o objetivo de evitar o rebaixamento. O clube do Morumbi teve sucesso e o Alviverde busca a mesma reação a partir do próximo domingo, quando Dorival Junior estreia no comando da equipe em jogo contra o Atlético-PR.

Para o alento do torcedor palmeirense, a situação do clube em 2014 é ligeiramente melhor que a do Tricolor. O Alviverde está fora da zona de rebaixamento, é o 16º colocado e tem ainda mais 20 jogos para disputar até o fim do Brasileirão. Depois do Atlético-PR, a equipe tem a chance de enfrentar logo pela abertura do 2º turno o Criciúma, rival direto na luta contra a queda para a Série B.

Em 2013, a troca de Paulo Autuori por Muricy Ramalho no comando do São Paulo foi uma rodada mais tarde. O novo treinador teria mais 19 jogos pela frente (um turno inteiro) e encontro o time em situação pior na tabela. O clube do Morumbi era o 18º e estava ainda a quatro pontos de sair da zona de rebaixamento.

Com Muricy o São Paulo reagiu e fez um ótimo segundo turno, quando conquistou 56% dos pontos conquistados e terminou o Brasileiro na nona posição. Curiosamente, quando o Tricolor trocou de técnico tinha um ponto a mais que o Palmeiras (18 a 17), apesar de estar em posição pior na tabela.

Outra coincidência é que tanto Dorival Júnior como Muricy Ramalho foram jogadores dos respectivos clubes. Muricy foi meia do Tricolor entre 1973 e 1979 e Dorival atuou como volante no Alviverde de 1989 a 1992.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.