Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras se inspira no passado para voltar à final da Libertadores

Clube relembra viradas nas semifinais de 1999 e 2000 para superar Boca Juniors e chegar à decisão

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

31 Outubro 2018 | 05h00

Para voltar à final da Copa Libertadores depois de 18 anos, o Palmeiras terá de buscar inspiração nas últimas vezes em que esteve na decisão. Nesta quarta-feira, às 21h45, contra o Boca Juniors, a equipe tentará repetir os feitos de 1999 e 2000, quando conseguiu viradas épicas na semifinal, a exemplo do que precisa, no Allianz Parque – jogo da volta.

Depois de perder por 2 a 0 em Buenos Aires, no primeiro confronto, semana passada, será preciso devolver o resultado para levar a disputa aos pênaltis ou ganhar por três ou mais gols de diferença para garantir a vaga no tempo normal. Ao menos no comando do Palmeiras há quem tenha experiência para virar marcadores adversos em semifinais: Luiz Felipe Scolari.

O comandante estava à frente do time tanto em 1999 como em 2000. Na primeira ocasião, a equipe perdeu para o River por 1 a 0 na Argentina e depois foi à decisão ao bater o rival por 3 a 0 em São Paulo, com dois gols de Alex e um de Roque Jr.

No ano seguinte a virada teve contornos ainda mais dramáticos. O oponente era o Corinthians, para quem havia perdido por 4 a 3 na ida. O Palmeiras conseguiu, porém, ganhar por 3 a 2 na volta e obteve nova vitória nos pênaltis, por 5 a 4. A partida é uma das mais marcantes da história do clube, especialmente pela defesa do goleiro Marcos na cobrança de Marcelinho.

Felipão retornou ao Palmeiras em agosto para arrumar a casa e vivenciar momentos decisivos, como o de agora. A expectativa do jogo não o fez mudar o jeitão. O experiente treinador pregou tranquilidade para os seus jogadores e conseguiu fazer o elenco não se abalar após a derrota da última quarta-feira.

Três dias depois, o Palmeiras enfrentou o Flamengo no Maracanã lotado, pelo Campeonato Brasileiro, e empatou por 1 a 1. "Se tomamos dois gols, se não criamos, se não fizemos o que normalmente fazemos, vamos tentar fazer no segundo jogo", comentou o técnico após a derrota em Buenos Aires.

Pelo menos o Palmeiras não tem problemas para escolher os titulares. Como não há desfalques por suspensão, o treinador deve fazer alterações apenas para se adequar à estratégia de jogo. A principal dúvida é na montagem do setor ofensivo.

O meia Lucas Lima deve ser uma das novidades, por estar mais descansado. Outra aposta provável é em Deyverson. Como não foi titular contra o Flamengo, o atacante deve entrar em campo e ganhar a confiança do técnico pelo potencial no jogo aéreo e para conter os zagueiros na briga por espaço.

Dono de 22 títulos em mata-matas e duas conquistas de Libertadores, Felipão leva para o Allianz a experiência da sua carreira e a vivência no próprio Palmeiras para fazer da noite de hoje uma jornada histórica.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS X BOCA JUNIORS

PALMEIRAS: Weverton; Mayke, Luan, Gómez e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima; Dudu, Willian e Deyverson. Técnico: Luiz Felipe Scolari. 

BOCA JUNIORS: Rossi; Jara, Izquierdoz, Magallán e Olaza; Barrios; Pavón, Nández, Pérez e Villa; Ábila. Técnico: Gustavo Schelotto (interino)

Juiz: Wilmar Roldan (COL).

Local: Allianz Parque.

Horário: 21h45. 

Na TV: Globo, SporTV e Fox Sports. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.