JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Palmeiras se une à torcida para superar vantagem da Ponte Preta

Time tenta reverter no Allianz Parque os 3 a 0 sofridos no jogo de ida para conseguir chegar à final do Campeonato Paulista

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

22 de abril de 2017 | 07h00

A festa da torcida do lado de fora da Academia de Futebol, nesta sexta-feira, e a intensa procura por ingressos para o jogo do Palmeiras com a Ponte Preta, neste sábado, às 19h, no Allianz Parque, fazem o time de Eduardo Baptista acreditar na possibilidade de reverter marcador adverso de 3 a 0 sofrido em Campinas no jogo de ida de uma das semifinais do Paulistão. Essa equipe considera a mobilização como chance de entrar para a história. 

Na primeira grande decisão do ano, o Palmeiras tem como objetivo, e única alternativa, reagir. O time se preparou durante a semana somente com treinos fechados enquanto a torcida fez replicar nas redes sociais a ‘#Ateoapitofinal’ para demonstrar a confiança no elenco. Alguns jogadores repetiram a mensagem nos seus perfis.

Nesta sexta, no último treinamento antes do jogo, o apoio foi mais evidente, com a presença de 500 torcedores do lado de fora da Academia de Futebol. Os palmeirenses levaram bandeiras, acenderam sinalizadores, cantaram e fizeram foguetório para incentivar a equipe. A mobilização começou por volta do meio-dia, bem antes do treino das 15h30.

Alguns torcedores com camisas de organizadas entraram no centro de treinamento para conversar e transmitir apoio a jogadores e diretoria. O grupo foi recebido por atletas como Fernando Prass, Borja, Felipe Melo e Dudu, além do diretor de futebol, Alexandre Mattos.

A mobilização também foi grande para comprar ingressos. Até ontem haviam sido vendidas 36 mil entradas. "É algo que, se a gente conseguir, vamos entrar para a história. Não sei qual será o resultado, mas a torcida vai sair do estádio com orgulho da gente", resumiu o goleiro Fernando Prass.

A necessidade de fazer diferença de pelo menos três gols para levar a disputa aos pênaltis não deve promover modificações radicais na escalação. Segundo o técnico Eduardo Baptista, a formação será parecida à usada na derrota no Moisés Lucarelli, em Campinas, com alguns ajustes. A cobrança ao time para fazer pressão no adversário desde os minutos iniciais.

A Ponte Preta não perde para o Palmeiras há seis jogos e é um dos poucos adversários a não ter sido derrotado no Allianz Parque. Na arena, a equipe de Campinas conseguiu uma vitórias e dois empates. O último encontro foi um amistoso de pré-temporada, em janeiro. O resultado foi 1 a 1.

MEMÓRIA

A decisão no Allianz Parque coincide com uma data histórica para o clube. Na sexta o Palmeiras completou 100 anos de seu primeiro jogo disputado no local. Em 1917, o time estreou no antigo Palestra Itália derrotando o extinto Internacional por um placar bastante sugestivo para tentar repetir neste sábado: 5 a 1.

Perguntas para Eduardo Baptista, técnico do Palmeiras:

1. Como está o ânimo do grupo para o jogo decisivo?

A grande mostra de que é possível reverter foi dada logo após a partida em Campinas. Houve passividade (em aceitar o domínio da Ponte) de todos, eles sentiram e se cobraram. Sentiram que as coisas não aconteceram. Só esse reconhecimento já foi bom.

2. O que te faz acreditar na virada contra a Ponte?

Contra o Santos, na Vila Belmiro, viramos o jogo no fim. Na Libertadores, fizemos jogos com gols nos últimos instantes, mais aquele empate contra o Tucumán com um jogador a menos. Tivemos um jogo excelente contra o São Paulo. Não é preciso buscar muito longe. Mas vamos ter equilíbrio, porque para fazer 3 a 0, tem de fazer o primeiro gol antes.

3. Como você trabalhou o psicológico do time?

Não sei fazer preleções em que os atletas choram. Sou um cara mais da prática. Mostramos ao time os 20 primeiros minutos do segundo tempo contra o Peñarol, para destacar o quanto marcamos em cima e fomos rápidos. A gente conta com um torcedor empolgante. Talvez pela nossa derrota, ele tem nos apoiado até mais do que antes.

4. Qual será a postura?

Temos treinado e procurado intensidade nos 20 primeiros minutos por estarmos mais descansados. Vamos marcar em cima, agredir, para que a gente consiga fazer o resultado. Se não sair o gol no início, temos de ter tranquilidade para construir o placar. Pode até acontecer de não nos classificarmos para a decisão, mas a postura que vamos ter vai dar bastante orgulho para o torcedor palmeirense.


FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS X PONTE PRETA

PALMEIRAS: Fernando Prass; Jean, Mina, Edu Dracena e Zé Roberto; Felipe Melo; Keno (Willian), Tchê Tchê, Guerra e Dudu; Borja. Técnico: Eduardo Baptista.

PONTE PRETA: Aranha; Jeferson, Marllon, Yago e Nino Paraíba; Fernando Bob, Jadson e Elton; Lucca, William Pottker e Clayson. Técnico: Gilson Kleina.

Juiz: Raphael Claus 

Local: Allianz Parque  

Horário: 19h

Transmissão: Pay-per-view

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.