Palmeiras sofre, mas bate Cruzeiro de virada no Mineirão

O jogo foi dramático no Mineirão na noite desta quarta-feira. Com um homem a menos em quase todo o segundo tempo, o Palmeiras suportou a pressão e venceu o Cruzeiro por 2 a 1, de virada, no complemento da 25.ª rodada. O resultado deixou o clube com 47 pontos, isolado na liderança do Campeonato Brasileiro, com três pontos de vantagem sobre o São Paulo.

ANDRÉ RIGUE, Agencia Estado

24 de setembro de 2009 | 00h34

Além de marcar o reencontro do atacante Kléber com o Palmeiras, a partida em Belo Horizonte quebrou uma série de quatro tropeços do time de Muricy Ramalho longe do Palestra Itália. De quebra, o clube paulista chegou à marca de 97 gols na temporada - faltam só três para chegar ao centésimo gol no ano.

O Cruzeiro, por sua vez, permaneceu com 32 pontos, na 13.ª posição, longe da briga pela vaga na Copa Libertadores.

Sem Edmílson, machucado, o Palmeiras demorou para ajustar a defesa e o Cruzeiro aproveitou para abrir o placar logo aos oito minutos de jogo. Henrique desviou de cabeça e deixou Thiago Ribeiro na cara do gol, totalmente livre. O atacante chutou na saída de Marcos e guardou no cantinho esquerdo.

O torcedor cruzeirense, porém, não teve nem tempo de respirar. O empate do Palmeiras chegou um minuto depois. Vágner Love foi derrubado por Henrique: falta na entrada da área. Diego Souza fez a cobrança e soltou uma bomba. A bola fez uma curva e entrou no meio do gol. "Eu bati e o Fábio não conseguiu chegar. Acho que não foi falha dele", disse o meia.

O jogo ficou aberto e lances polêmicos surgiram. Aos 16 minutos, Gilberto invadiu a área e tocou para trás. Fabrício chegou na velocidade para bater forte. Jumar foi na marcação do volante e travou a jogada. A bola acabou subindo e saiu. O cruzeirense reclamou de pênalti, mas a arbitragem considerou o lance normal.

O primeiro tempo foi do estilo que o torcedor gosta: bem aberto, com vários lances ofensivos. O lateral palmeirense Armero e o também lateral cruzeirense Diego Renan perderam pelo menos duas chances para marcar. No fim da etapa inicial, Fabrício ainda acertou um chute perigoso no gol de Marcos.

O goleiro, aliás, destacou o comportamento do Palmeiras no Mineirão. "Ainda bem que o time teve cabeça fria e conseguiu empatar em seguida. Treinamos com o Edmílson na semana, mas ele se machucou e o Jumar foi escalado. O jogo ficou aberto e os times puderam criar muitas oportunidades de gol", disse Marcos.

DRAMÁTICO - No intervalo, Muricy tirou Robert e colocou mais um zagueiro, com a entrada de Maurício. O Palmeiras voltou mais equilibrado e aproveitou um erro do Cruzeiro para virar. Aos quatro minutos, Cleiton Xavier deixou Vágner Love na cara do gol. O artilheiro entrou na área, driblou Fábio e tocou para as redes - foi seu segundo no Brasileirão.

O Palmeiras deu a impressão de que controlaria o jogo. Mas Armero foi expulso aos oito minutos por fazer falta em Jonathan na entrada da área. Para complicar ainda mais, Wendel deixou o campo com suspeita de fratura na mandíbula e Figueroa fez sua estreia na lateral direita - os palmeirenses disseram depois que Wendel recebeu uma cotovelada de Kléber.

A defesa do Palmeiras na etapa final foi praticamente reserva. Apenas Maurício Ramos era titular. O Cruzeiro se aproveitou do desentrosamento para impor uma pressão. Aos 25 minutos, Kléber ficou livre na cara do gol. O atacante chutou forte e Marcos deu um desviou salvador. A bola ainda tocou na trave direita.

Kléber, que disse não se importar em marcar gol no Palmeiras, foi substituído aos 30 minutos do segundo tempo, vaiado pelos cruzeirenses e aplaudido pelos palmeirenses. O time visitante então se fechou - até Cleiton Xavier atuou na marcação - e garantiu três pontos importantes na luta pelo título.

Pela próxima rodada do Brasileirão, o Palmeiras encara o Atlético-PR, neste sábado, no Palestra Itália. Na partida, Cleiton Xavier não poderá atuar, suspenso com o terceiro cartão amarelo. No mesmo dia, o Cruzeiro pega o Barueri fora de casa.

Ficha Técnica:

Cruzeiro 1 x 2 Palmeiras

Cruzeiro - Fábio; Elicarlos (Guerrón), Gil, Leonardo Silva e Diego Renan; Marquinhos Paraná, Fabrício (Jonathan), Henrique e Gilberto; Kléber (Wellington Paulista) e Thiago Ribeiro. Técnico: Adilson Batista.

Palmeiras - Marcos; Wendel (Figueroa), Maurício Ramos, Marcão e Armero; Jumar, Souza, Cleiton Xavier e Diego Souza; Robert (Maurício) e Vágner Love (Willians). Técnico: Muricy Ramalho.

Gols - Thiago Ribeiro, aos oito, e Diego Souza, aos nove minutos do primeiro tempo; Vágner Love, aos quatro minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos - Henrique e Gilberto (Cruzeiro); Marcos, Jumar e Cleiton Xavier (Palmeiras).

Cartão vermelho - Armero (Palmeiras).

Árbitro - Evandro Rogério Roman (Fifa-PR).

Renda - R$ 574.365,00.

Público - 26.282 pagantes.

Local - Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.